Jeff Bezos, CEO da Amazon com uma fortuna estimada de US$ 130 bilhões e atualmente o homem mais rico do mundo, anunciou que irá criar o Bezos Earth Fund (ou Fundo Bezos da Terra, em tradução livre). O fundo é uma iniciativa global de US$ 10 bilhões que tem como objetivo financiar “qualquer esforço que ofereça a possibilidade real de ajudar a preservar e proteger o mundo natural.”

Bezos revelou sua iniciativa em uma publicação no Instagram feita nesta segunda-feira (17), em que ele diz que a mudança climática é a maioria ameaça ao planeta. O CEO da Amazon disse ainda que queria trabalhar com outras pessoas para “amplificar os caminhos conhecidos e explorar novas maneiras” para combater o impacto devastador da mudança climática. De acordo com o anúncio, o Bezos Earth Fund vai financiar cientistas, ativistas, ONGs e outros esforços. As primeiras bolsas serão repassadas a partir do terceiro trimestre de 2020.

“Podemos salvar a Terra. Será necessária ação coletiva de grandes empresas, pequenas empresas, estados-nações, organizações globais e indivíduos”, disse Bezos.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Today, I’m thrilled to announce I am launching the Bezos Earth Fund.⁣⁣⁣ ⁣⁣⁣ Climate change is the biggest threat to our planet. I want to work alongside others both to amplify known ways and to explore new ways of fighting the devastating impact of climate change on this planet we all share. This global initiative will fund scientists, activists, NGOs — any effort that offers a real possibility to help preserve and protect the natural world. We can save Earth. It’s going to take collective action from big companies, small companies, nation states, global organizations, and individuals. ⁣⁣⁣ ⁣⁣⁣ I’m committing $10 billion to start and will begin issuing grants this summer. Earth is the one thing we all have in common — let’s protect it, together.⁣⁣⁣ ⁣⁣⁣ – Jeff

Uma publicação compartilhada por Jeff Bezos (@jeffbezos) em

Tradução: Hoje, estou entusiasmado em anunciar que estou lançando o Bezos Earth Fund.⁣⁣⁣

A mudança climática é a maior ameaça ao nosso planeta. Quero trabalhar junto com outras pessoas para amplificar os caminhos conhecidos e explorar novas maneiras de combater o impacto devastador da mudança climática nesse planeta que todos compartilhamos. Essa iniciativa global irá financiar cientistas, ativistas, ONGs – qualquer esforço que ofereça a possibilidade real de ajudar a preservar e proteger o mundo natural. Podemos salvar a Terra. Será necessária ação coletiva de grandes empresas, pequenas empresas, estados-nações, organizações globais e indivíduos.

Estou dedicando US$ 10 bilhões para começar e começarei a enviar bolsas neste verão [terceiro trimestre]. A Terra é a única coisa que todos temos em comum – vamos protegê-la juntos.
⁣⁣⁣
Jeff

Detalhes concretos sobre a iniciativa ainda não foram publicados. De acordo com o Verge, uma pessoa próxima ao fundo disse que ela não se envolveria com o investimento do setor privado, mas focaria em doações para instituições de caridade. Vamos ser francos: é um bom anúncio, e se funcionar como descrito, poderia funcionar muito bem.

No entanto, o fundo de Bezos é notável por várias outras razões. Antes de mais nada, o fundo tem como objetivo proteger e preservar a Terra. Essa é uma mudança para Bezos, que nos últimos anos tem focado em alcançar o espaço com a Blue Origin, sua empresa de voos espaciais.

No passado, Bezos chegou a declarar que a Blue Origin era “seu trabalho mais importante” e que ele queria que os bisnetos dos seus bisnetos vivessem num mundo com “mil Einsteins” e recursos infinitos, algo que ele acredita ser possível somente se a humanidade migrar da Terra para outros locais do Sistema Solar.

No entanto, a preocupação do CEO da Amazon com o planeta não surgiu do nada. Bezos também disse que acredita que, num futuro muito, muito distante, os humanos se mudarão da Terra, convertendo o planeta em uma área residencial com indústria leve.

“Será basicamente um planeta muito bonito”, disse Bezos ao Business Insider em uma entrevista em 2018. “Enviamos sondas robóticas a todos os planetas desse Sistema Solar e acreditem que esse é o melhor.”

O novo Bezos Earth Fund também é importante porque é um dos maiores esforços filantrópicos do executivo da Amazon até agora. Antes disso, sua maior doação foram US$ 2 bilhões a projetos focados em educação infantil e assistência à famílias sem teto.

Bezos já sofreu críticas por não dedicar mais de sua fortuna para a caridade. Quando se divorciou, sua ex-esposa MacKenzie Bezos assinou o Giving Pledge, um comprometimento dos indivíduos e famílias mais ricas do mundo de dar a maior parte de suas fortunas para a filantropia – Jeff Bezos, por sua vez, não assinou o comprometimento. MacKenzie Bezos fez um acordo para o divórcio de US$ 35 bilhões, o maior da história.

Além disso, os US$ 10 bilhões de Bezos contrasta com a própria postura da Amazon em relação à crise climática. O Compromisso Climático da empresa, um compromisso para atender as reduções de emissões definidas no Acordo Climático de Paris e o objetivo de se tornar neutro nas emissões de carbono até 2040, foi bastante criticado por ser “fraco”. Para efeitos de comparação, a Microsoft anunciou que passaria a ter “emissões negativas” de carbono até 2030 e que removeria todo o carbono que já emitiu na atmosfera desde a sua fundação em 1975.

O Amazon Employees for Climate Justice, um grupo de funcionários da companhia que acredita que os modelos de negócios não deveriam contribuir com a crise climática, aplaudiu a nova iniciativa filantrópica de Bezos. Mas o grupo também chamou a atenção para outras ações do executivo que consideram contraproducentes para a crise climática.

O grupo destacou o fato de a Amazon continuar trabalhando com empresas de petróleo e gás, que desempenham um papel enorme na mudança climática. Eles também questionaram por que a companhia ameaçou demitir funcionários que falaram com a imprensa sobre seus esforços em relação ao clima.

“Como a história nos ensinou, os verdadeiros visionários se levantam contra sistemas entrincheirados, muitas vezes com grandes custos para si mesmos”, disse o grupo em uma declaração. “Aplaudimos a filantropia de Jeff Bezos, mas uma boa ação não elimina uma má.”