Canabinoides sintéticos estão por trás de mais uma overdose em massa nos Estados Unidos. Mais de 70 pessoas em New Haven, Connecticut sofreram overdoses que aparentemente foram causadas por uma droga feita em laboratório conhecida como K2. Todas em um único dia, de acordo com a reportagem da NBC Connecticut.

• Polícia de Illinois efetua primeiras prisões ligadas ao surto de maconha sintética fatal
• Pelo menos duas pessoas em Illinois morreram depois de fumar maconha sintética que causa hemorragia

No total, 72 pessoas foram mandadas para o hospital para realizarem exames, algumas com sintomas graves como inconsciência. Neste momento, no entanto, ainda não houve relatos de mortes ligadas a essas overdoses.

O surto aparentemente começou na noite de terça-feira (14), com relatos de três overdoses perto da Universidade de Yale, uma das mais renomadas do mundo. Na manhã seguinte, pelo menos 18 pessoas entraram em colapso em um parque local no centro de New Haven, segundo a NBC Connecticut. Até o fim da quarta-feira, a cidade tinha registrado pelo menos 76 suspeitas de casos de overdose. Algumas pessoas que foram tratadas no hospital voltaram para suas casas horas depois e aparentemente tiveram uma nova overdose.

Os testes iniciais do DEA, ou Drug Enforcement Administration (órgão federal responsável pela repressão e controle de narcóticos), das drogas que foram usadas por algumas das vítimas revelaram apenas a presença do K2, sugerindo que os produtos não foram contaminados com veneno para ratos, como aconteceu em outros estados recentemente.

Os socorristas tentaram utilizar a naloxona, um conhecido antídoto a overdose de opioides, mas eles não ajudaram muito. As autoridades de saúde ainda acreditam que o K2 não seja o único responsável pelas overdoses, uma vez que alguns pacientes tinham traços do potente opioide fentanil em seus sistemas. Alguns pacientes que depois foram tratados com uma alta dose de naloxona responderam ao medicamento.

“Estou muito grato pelo trabalho pontual e eficaz dos socorristas que ajudaram a reanimar, transportar e salvar essas vítimas”, disse o prefeito de New Haven, Toni Harp, em um comunicado.

Canabinoides sintéticos, vendidos sob os nomes de K2 ou Spice, são perigosos. Seus princípios ativos são uma mistura de substâncias químicas destinadas a imitar os efeitos do THC que deixam as pessoas chapadas e que são encontrados em derivados da cannabis. Esses produtos químicos são pulverizados em ervas que podem ser fumadas ou vendidos como um fluido para vapes (cigarros eletrônicos).

Além de ser mais potente que o THC, os dois produtos não contêm a mesma quantidade ou mistura de canabinoides sintéticos, o que significa que seus efeitos podem variar muito. Pessoas que sofrem overdose de canabinoides sintéticos podem experimentar efeitos colaterais como a psicose, convulsões, problemas respiratórios e circulatórios e coma.

Muitas vezes estas drogas são contaminadas ou misturadas com outras substâncias, como o fentanil. Em março, pessoas em Illinois apresentaram sintomas bizarros, como sangramento incontrolável, que foram atribuídos a canabinoides sintéticos contaminados com veneno de rato, que contém poderosos anticoagulantes.

Embora a frequência desses casos tenha diminuído, centenas de pacientes em pelo menos 10 estados foram hospitalizados com sintomas semelhantes, de acordo com a Food and Drug Administration, e várias mortes foram registradas. Ainda não está claro como ou por que o veneno de rato chegou a esses produtos, nem se foi uma contaminação em algum “lote”.

Não é a primeira vez que surtos como esse acontecem no nordeste dos EUA. Em 4 de julho, mais de uma dúzia de pessoas em New Haven sofreram overdose causada por canabinoides sintéticos, segundo a CBS News. Menos de um mês antes, mais de 50 pessoas no Brooklyn, em Nova York, também tiveram overdose.

A polícia de New Haven prendeu um homem que poderia ter conexão com as supostas overdoses, embora nenhuma outra informação tenha sido divulgada neste momento.

[NBC Connecticut]

Foto do topo: Um homem segurando K2 em sua mão. Crédito: Spencer Platt (Getty Images)