Mesmo com um novo chip, tela Ceramic Shield e novo design, o padrão de carregamento sem fio MagSafe parece ser a principal novidade do iPhone 12. Ele resolve uma das coisas mais irritantes dos aparelhos tradicionais desse tipo. A tecnologia parece ser uma grande inovação, mas também criou alguns novos desafios.

Atualmente, o maior problema com carregadores sem fio é que eles não deixam você usar o celular. Tecnicamente, até dá para apertar o aparelho e a base como um sanduíche para segurar o telefone na posição vertical, mas isso é estranho e difícil.

Além disso, alguns carregadores são pesados demais. Até existem opções que deixam o celular de pé enquanto carrega, mas não é tão confortável usá-los assim. Então, no fim das contas, se você quer jogar ou ver um vídeo na cama e está com pouca bateria, não tem jeito: tem que ser o bom e velho cabo.

GIF: Apple

Os ímãs do MagSafe servem para manter o celular no alinhamento correto do carregamento sem fio, mas também ajudam quem quer usar o aparelho durante o processo. É o que a Apple faz de melhor: pegar uma tecnologia já existente e aperfeiçoá-la, deixando bem mais elegante. Além disso, a velocidade de carregamento passou de 7,5 watts no iPhone 11 para 15 watts no iPhone 12, se aproximando dos aparelhos de topo de linha da concorrência nesse quesito.

Além disso, embora a Apple não tenha dito nada ainda, dá para imaginar que o MagSafe será um recurso crítico na criação de um iPhone completamente sem portas. Pode não acontecer nos próximos anos, mas conceitos como o Meizu Zero e o Vivo Apex 2019 deixam claro que a indústria está caminhando nesta direção — gostemos ou não.

Enquanto isso, por mais inteligente que seja a solução MagSafe para iPhone, a nova tecnologia também criou algumas dificuldades que contrariam o que esperávamos da Apple.

Para começar, embora a nova tecnologia seja compatível com iPhones mais antigos e outros dispositivos sem fio Qi compatíveis em geral, o pequeno diâmetro do disco de carregamento certamente vai dificultar e não facilitar o processo para quem tem um iPhone 11 ou outro celular.

Nesse ponto, pode ser mais fácil o aparelho virado para baixo em uma superfície plana e, em seguida, pousar o disco na parte de trás do telefone — o que é ruim, porque aí não dá para ver a tela do celular enquanto ele carrega.

Foto: Apple

Além disso, o MagSafe precisa de uma tomada com saída USB-C — coisa que não vem com o carregador sem fio nem com o iPhone 12. Isso quer dizer que milhões de pessoas que resolverem trocar de aparelho precisarão comprar uma tomada separadamente, gastando mais dinheiro além dos US$ 40 do carregador sem fio.

Mas a coisa mais confusa sobre o MagSafe para iPhone é que ele é limitado a telefones (e AirPods). Por que é que ele não funciona com outros produtos da marca?

A Apple acaba de lançar os novos Watch Series 6 e o Watch SE há menos de um mês, e embora ambos os relógios (e outros modelos mais antigos) tenham suporte a carregamento sem fio por meio de uma base magnética, o carregador MagSafe não é compatível com os relógios, de acordo com as especificações da empresa.

Isso significa que, se você for viajar, terá que levar dois carregadores sem fio separados para ligar o iPhone e o Apple Watch, o que parece meio bobo e um tanto desnecessário, especialmente considerando que a empresa fez questão de discursar sobre a redução de lixo eletrônico em sua última apresentação.

Além disso, a Apple poderia ter feito um disco magnético com entrada USB-C em vez de colocar um cabo integrado ao carregador. Isso economizaria um cabo na hora de viajar com um iPhone e um iPad Pro ou outro aparelho que também usa esse padrão.

Pode ser que, no futuro, a empresa aumente a velocidade de carregamento para que o MagSafe sirva para outras linhas de produtos. No momento, parece que ele não se entende muito bem com o próprio ecossistema da marca.

Não quer dizer que eu esteja decepcionado com o novo carregador da Apple. O MagSafe é uma boa novidade para melhorar o carregamento sem fio, que é uma tecnologia que cada vez mais empresas e consumidores estão adotando, já que é fácil de usar e conveniente. Eu não ficaria surpreso se outras marcas copiassem esse carregador magnético. Mesmo assim, ele poderia ser bem melhor — só depende de alguns ajustes simples.