Médicos europeus dizem que começaram a ver um aumento de complicações raras e com risco de vida entre crianças confirmadas ou com suspeita de COVID-19. No entanto, não é certo o quão comuns são essas complicações ou se estão necessariamente conectadas ao coronavírus.

Nesta terça-feira (28), a Reuters informou que as autoridades de saúde do Reino Unido e da Itália têm recebido relatos desses casos de médicos locais nos últimos dias. Médicos na Espanha e em Portugal também teriam se deparado com esses casos, de acordo com um cardiologista entrevistado pela agência de notícias. No fim de semana, a Sociedade de Cuidados Intensivos Pediátricos do Reino Unido emitiu um aviso semelhante aos médicos.

“Nas últimas semanas, houve um aparente aumento no número de crianças de todas as idades apresentando um estado inflamatório multissistêmico que requer cuidados intensivos”, publicou a sociedade em seu Twitter no domingo (26). “[Isso vem acontecendo] em Londres e também em outras regiões do Reino Unido.”

Essas complicações parecem se assemelhar a duas condições raras e similares que podem causar danos generalizados ao organismo: a síndrome do choque tóxico e um distúrbio dos vasos sanguíneos conhecido como doença de Kawasaki. Os pacientes relataram dor abdominal e outros sintomas gastrointestinais, enquanto alguns mostraram sinais e inflamação no coração ou no sistema cardiovascular.

Algumas, mas nem todas, essas crianças testaram positivo para o vírus que causa COVID-19, e outras tiveram resultados de exame de sangue que sugerem que eles tiveram uma infecção anterior pelo coronavírus, de acordo com a Sociedade de Cuidados Intensivos Pediátricos do Reino Unido.

A síndrome do choque tóxico é geralmente causada por uma infecção bacteriana que produz um acúmulo de toxinas. Essas toxinas podem desencadear um reação exagerada maciça pelo sistema imunológico, atacando os órgãos do corpo. A doença de Kawasaki, por outro lado, é mais comum em crianças com menos de cinco anos e é caracterizada por artérias inchadas em todo o corpo que podem aparecer como erupções cutâneas distintas.

Estes relatos são plausíveis. Por um lado, os médicos documentaram o risco de reações imunes igualmente massivas entre pacientes adultos com COVID-19. E embora a síndrome do choque toxico esteja mais diretamente ligada a infecções causadas por certas bactérias, os fatores de risco para desenvolvê-la também pode incluir infecção viral.

Os médicos também relataram anteriormente uma ligação entre a doença de Kawasaki em crianças e a infecção por outro coronavírus, conhecido como HCoV-NL63.

No entanto, ainda é muito cedo para declarar uma ligação conclusiva entre essas condições em crianças e o vírus. No momento, os relatos parecem estar limitados à Europa. Um representante da Academia Americana de Pediatria disse à Reuters que não recebeu nenhum relato de caso semelhante de médicos nos Estados Unidos. O consenso ainda é de que as crianças têm problemas relativamente mais leves de COVID-19 em comparação com adultos.

Se essa conexão for real, seria apenas a última descoberta que mostra que os sintomas de COVID-19 vão muito além da febre e da tosse seca. Nos últimos meses, perda de olfato e paladar, descoloração dos dedos do pés e das mãos e complicações mais graves, como derrame, foram associados ao coronavírus.