Uma das maiores chateações de pegar um Uber é entrar no carro e se deparar com um motorista capaz de falar sobre todos os assuntos possíveis quando você só queria ir do ponto A até o ponto B em paz. Se você é uma dessas pessoas que não aguentam mais os motoristas tagarelas, temos uma boa notícia: a Uber vai lançar um “modo silencioso” em seu app e, infelizmente, só estará disponível nos Estados Unidos num primeiro momento.

O recurso, chamado “Quiet Mode”, estará disponível a partir dessa quarta-feira (15) nas categorias Uber Black e Uber Black SUV. Pelo aplicativo, o passageiro pode escolher entre as opções “prefiro silêncio”, “feliz em conversar” ou “sem preferência”. A novidade poderá ser acessada nas “Preferências de Motorista” que permitem que os usuários configurem antes de solicitarem o carro, mas não enquanto esperam pelo motorista ou quando já estão dentro do veículo.

Essas configurações das categorias premium, Uber Black e SUV, permitem que o passageiro informe até mesmo sobre bagagens que pretende transportar (assim, o motorista pode estacionar em algum lugar com maior facilidade para ajudar a carregar as malas) e escolha a temperatura do carro.

A iniciativa é um esforço da Uber de “diferenciar os produtos premium dos regulares e encorajar mais viagens”, declarou Aydin Ghajar, gerente de produto da empresa, ao TechCrunch.

Apesar de o recurso ser algo que “muitas pessoas já estão pedindo há um tempo”, como disse o próprio gerente de produto da empresa, é claro que há quem diga: “ah, mas é só pedir para motorista não falar” ou “qual é o problema de conversar com o motorista?”. Obviamente, explicar educadamente para o motorista que você prefere não conversar é uma solução, mas não é tão simples assim. Principalmente quando estamos falando de cenários em que a passageira é uma mulher e o motorista é um homem, conforme também apontado pelo TechCrunch.

São inúmeros os casos de assédio já reportados envolvendo aplicativos de transporte. Além da exposição diária a diversos tipos de opressão, as mulheres se encontram em uma situação ainda mais vulnerável dentro de um carro em que o homem está no controle do veículo. Isso faz com que muitas delas sintam receio em pedir para que o motorista fique em silêncio, principalmente quando já estão se sentindo desconfortáveis com a conversa. Há casos em que a passageira até está disposta a conversar, mas alguns motoristas interpretam a simpatia de forma equivocada, o que pode levar a situações desagradáveis.

Apesar de ainda estar disponível apenas nos Estados Unidos, é provável que o recurso chegue a outros países em breve e isso pode ajudar a minimizar não apenas situações como essas experenciadas por mulheres, mas aborrecimentos, em geral, entre passageiros e motoristas.

A Uber afirma que, durante os três meses de desenvolvimento do recurso, realizou uma extensa pesquisa sobre a percepção dos motoristas. A empresa ainda ressalta que os motoristas são trabalhadores independentes, o que significa que o “modo silencioso” não é mandatório. O aplicativo apenas informa a preferência do passageiro, cabendo ao condutor do veículo decidir o que fazer. Ainda assim, é provável que muitos levem em consideração essas preferências, pois ninguém quer receber avaliações negativas no aplicativo.

Considerando que as corridas premium do app custam o dobro do preço do UberX e mais de o triplo do valor do UberPool, é possível que a empresa consiga lucrar com o novo recurso. Parece que a Uber está concentrando todos seus esforços para achar soluções capazes de aumentar os lucros e minimizar seus prejuízos após semanas conturbadas com notícias sobre greve de motoristas no mundo todo, queda das ações, e até intrigas dignas de novela com o cofundador da Uber sendo barrado da cerimônia de abertura de capital da própria empresa.