Eu imagino que as coisas estejam um pouco sombrias para a Netflix agora.

A gigante do streaming anunciou na quarta-feira (13) – apenas um dia após o lançamento do tão esperado novo serviço de streaming da Disney, um serviço voltado principalmente para famílias e nerds – que está em parceria com a Nickelodeon em um acordo de conteúdo de vários anos. A Nickelodeon já existia na Netflix antes, com Rocko’s Modern Life: Static Cling e Invader Zim: Enter the Florpus, mas o acordo envolverá a produção de novos filmes e séries de animação originais. Segundo a empresa, esse novo conteúdo será baseado na “biblioteca de personagens da Nickelodeon”, além de outros.



“A Nickelodeon gerou dezenas de personagens que as crianças adoram, e esperamos contar histórias totalmente originais que reimaginam e se expandem nos mundos em que habitam”, disse Melissa Cobb, vice-presidente de animação original da Netflix, em comunicado. “Estamos entusiasmados por continuar colaborando com Brian Robbins, Ramsey Naito e a equipe criativa da Nickelodeon de novas maneiras, enquanto procuramos encontrar novas vozes e trazer histórias ousadas para o nosso público global na Netflix”.

A Netflix tem conteúdo infantil há anos, mas a gigante do streaming pode estar sentindo a ameaça com o lançamento de uma plataforma que se posicionou para dominar a arena de serviços para crianças com suas décadas e décadas de filmes e séries de televisão de sucesso. E a Disney+ não apenas hospeda Marvel, Pixar, Star Wars e National Geographic, como também é dona do Hulu. Se a Netflix pretende bater de frente com a Disney+, precisará de mais do que alguns spin-offs da Nickelodeon.

Graças, em parte, ao impressionante número de serviços lançados ou que serão lançados nos próximos meses, a Netflix perdeu boa parte de algumas de suas séries licenciadas mais populares. A plataforma está perdendo assinantes pela primeira vez em anos. Seu conteúdo original é sem graça, pra dizer o mínimo, na maioria das categorias (especificamente seus malditos especiais de comédia). E algumas de suas grandes apostas em retenção são bem confusos. A empresa teria pago algo em torno de US$ 500 milhões por Seinfeld, pelo amor de Deus. E agora, a Netflix parece estar investindo na Nickelodeon para atingir crianças e famílias.

Não estou dizendo que a Netflix tenha chegado ao fundo do poço, mas seria sensato ela se distanciar da “quantidade acima da qualidade” e criar um conteúdo melhor. Com tantos concorrentes entrando na briga de streaming, isso será necessário.

Estou torcendo pelo Netflix, mas caramba.