A Netflix se expandiu para alcançar basicamente qualquer pessoa com uma conexão à internet no mundo inteiro: são 75 milhões de assinantes em 190 países (a China é a grande exceção).

Manter esse serviço funcionando sem problemas e de forma eficiente com tantos clientes assim é uma tarefa difícil, então a Wired deu uma olhada no hardware e software que aguenta a nossa compulsão por filmes e séries.

>>> Netflix pode ser obrigada a oferecer cota mínima de conteúdo nacional
>>> Netflix impede acesso de usuários com VPN que burlam restrições geográficas

A reportagem menciona o Open Connect, um dispositivo com 100 TB a 160 TB que armazena uma cópia do catálogo da Netflix, e que é encaixado no data center de provedores de internet.

Esses dispositivos Open Connect servem um propósito simples: impedir a Netflix de entupir a internet… A capacidade total do backbone da internet entre um país e outro é de 35 TB por segundo, diz Ken Florance, vice-presidente de entrega de conteúdo na Netflix. “Nosso pico de tráfego é mais do que isso… Nossa escala é realmente maior do que a capacidade internacional da internet.”

A Netflix não quebra literalmente a internet porque a grande maioria do seu tráfego é entregue localmente, via Open Connect, e não através dos cabos transoceânicos que conectam a internet entre os continentes.

No Brasil, o serviço estreou sem usar esses dispositivos, redirecionando tráfego vindo dos EUA. À medida que a Netflix conseguiu mais assinantes, ela fez parcerias com provedores locais para não congestionar a internet brasileira.

Quando a Netflix estreou no Brasil, ela entregava 100% do tráfego diretamente de caixas Open Connect em Dallas e Miami. House of Cards estreou ao mesmo tempo no país e no restante do mundo, porém mais lentamente e a um custo maior. Agora, a Netflix trabalhou com provedores locais de internet para instalar aparelhos Open Connect em pontos críticos ao longo da infraestrutura de dados do país.

A empresa envia para cada caixa – fora do horário de pico – uma ou duas cópias do que os clientes nas proximidades são mais propensos a assistir, com base em modelos internos de previsão de popularidade. Isso significa apenas um streaming a grande distância, em vez de milhares, se não mais.

Se a Netflix errar na previsão, e um público substancial quiser ver algo que não está pré-carregado em um aparelho Open Connect, ela precisa de apenas 15 minutos para mover um programa na nuvem da Amazon para uma dessas caixas. O resultado? Hoje, 85% do tráfego brasileiro na Netflix é local.

Existem cerca de 1.000 caixas Open Connect ao redor do mundo, e o número deve aumentar à medida que a Netflix conseguir mais assinantes em outros países. Por enquanto, ela só instalou quatro novas caixas – em Dubai, Singapura, Hong Kong e Johanesburgo – para receber os clientes dos 130 novos países onde o serviço foi lançado este ano.

netflix open connect
A caixa Open Connect da Netflix

A Wired também menciona a polêmica do bloqueio a VPNs, que permitem acessar o catálogo de outros países. O CEO Reed Hastings vê isso como uma consequência inevitável de se expandir globalmente. “Temos a obrigação de respeitar os direitos que nós compramos. É uma coisa simples de equidade. Se alguém está pagando pelos direitos na Alemanha, devemos respeitar isso, assim como nós iríamos querer isso em troca.”

E a reportagem lembra os desafios da Netflix em expandir seu catálogo, inclusive no Brasil: “a Globo, uma das maiores redes de televisão comercial do mundo, e a maior na América Latina, ainda não licenciou qualquer conteúdo para a Netflix – o serviço está no país há cinco anos”.

Como lembramos por aqui, esse empecilho pode se tornar ainda mais grave. A Ancine (Agência Nacional do Cinema) planeja exigir uma cota mínima de conteúdo nacional, e o Grupo Globo não cede filmes nem novelas para concorrentes nacionais. Se uma produtora menor fizer parceria com a Netflix, ela corre risco de ser “boicotada” pelos canais da Globo.

O artigo da Wired também explica como a Netflix usa algoritmos para oferecer sugestões, e até para escolher a melhor imagem de pré-visualização. Confira o texto completo aqui: [Wired]