A Nasa atingiu um marco importante: o estágio central de mais de 85 toneladas de seu novo foguete está de pé dentro do prédio de montagem, na Flórida. Esta é como se fosse a espinha dorsal do veículo, já que suporta o peso da carga, o estágio superior e a tripulação.

Chamado de Sistema de Lançamento Espacial (SLS, na sigla em inglês), o foguete está sendo projetado para levar astronautas à Lua, na missão Artemis I. Pensando nisso, haverá uma missão teste de três semanas, na qual a espaçonave Orion viajará 450 mil km até o nosso satélite natural.

O estágio central sendo baixado para o lançador móvel, com os foguetes auxiliares em cada lado.

Após a conclusão dos estágios iniciais, a agência espacial pode finalmente entrar no importante negócio de preparar o foguete para este lançamento histórico, que está agendado para novembro de 2021. A montagem do equipamento de 98 metros está ocorrendo no Kennedy Space Center, na Flórida.

Uma foto registrada em 12 de junho mostra o estágio central gigantesco sendo baixado para o lançador móvel, que irá transportar o foguete para a plataforma de lançamento 39B. Assim que tudo for concluído, o estágio central ficará localizado entre os impulsionadores de foguetes sólidos duplos — as equipes têm feito o trabalho pesado, por assim dizer.

“O estágio central suporta o peso da carga útil, estágio superior e veículo da tripulação, bem como carrega o impulso de seus quatro motores e dois propulsores de foguete sólidos de cinco segmentos”, observou a Nasa.

Assim que a montagem terminar e o foguete for levado ao Pad 39B, a Nasa realizará contagens regressivas práticas e testes de abastecimento. Se Artemis I seguir como planejado, podemos esperar por Artemis II (provavelmente em 2023), em que uma nave espacial Orion tripulada fará um zigue-zague ao redor da Lua – sem pousar ainda – e retornará à Terra. A missão Artemis III, atualmente programada para 2024, tentará pousar dois astronautas americanos, um homem e uma mulher, na superfície lunar pela primeira vez desde as missões Apollo.