A China forçou 100 empresas do centro industrial de Shenzhen a adotar novas medidas restritivas para conter o avanço de um novo surto de Covid no país. Essas restrições afetam a Foxconn, uma das principais fabricantes da Apple – algo que pode levar a um potencial adiamento do lançamento do novo iPhone 14.

Segundo o Bloomberg, as autoridades chinesas pediram que as empresas reduzissem a interação desnecessária entre os trabalhadores. Além disso, o bloqueio também prevê restringir as operações apenas aos funcionários que estão em um tipo de “circuito fechado”, que não tem contato com pessoas além de suas fábricas ou escritórios.

Rumores apontam que a Apple pretende antecipar o início da produção da nova linha do iPhone 14, do mesmo modo como aconteceu com o iPhone 12 – durante a emergência da pandemia. Isso permitiria que a próxima geração de iPhones ficasse pronta a tempo do lançamento.

No último sábado (23), a cidade Shenzhen registrou 21 novos casos de Covid, acima dos 19 do dia anterior. Inicialmente, as medidas de segurança sanitária valem por 7 dias, e fazem parte da política chinesa da “Covid Zero” — que vem impondo fechamento de fronteiras, quarentenas e bloqueios, além de testes em massa. Teme-se que esse novo confinamento seja estendido por várias semanas ou meses.

Além da Foxconn, outras gigantes da tecnologia também devem obedecer às restrições, como a Huawei, ZTE e DJI. Porém, conforme apontou o site Hindustan Times, a Foxconn afirma que as operações na fábrica de Shenzhen ainda permanecem normais, apesar do bloqueio em vigor.

O que se sabe sobre o iPhone 14?

A expectativa é que a nova linha iPhone 14 seja lançada durante um evento da Apple no próximo mês de setembro. De acordo com recentes vazamentos, os aparelhos serão comercializados em 4 versões, mas sem a versão Mini.

Os novos iPhones 14 também serão os celulares mais caros lançados pela Apple, terão câmeras principais de 48 megapixels com capacidade para gravar em 8K e devem abandonar o entalhe da tela.