Enquanto os serviços de streaming se popularizam, a venda de álbuns musicais na forma de CDs continua a despencar.

Por mais que exista um movimento para ressuscitar os “vintages” discos de vinil, a mesma iniciativa não tem ocorrido com os CDs.

Introduzido no início dos anos 1980, os discos compactos atingiram o ápice ao longo da década de 1990 e no início dos anos 2000. Entretanto, de lá para cá, a mídia tem caído em desuso.

Vendas despencaram 97%

Segundo reportagem da Wired, a venda de CDs nos Estados Unidos caiu 97% desde o ápice no ano 2000 até o ano passado.

Hoje, novos computadores e notebooks saem de fábrica já sem os leitores de CD. O mesmo vale para carros, home theaters, caixas de som, entre outros eletrônicos.

O motivo é a inegável conveniência dos serviços de streaming –que podem ser conectados a uma infinidade de dispositivos– aliado a uma pequena assinatura mensal.

Streaming engolindo

Além disso, para agradar aqueles ouvintes mais puristas, com ouvidos mais afiados e que ainda defendiam uma sobrevida aos CDs, as plataformas passaram a disponibilizar planos HiFi, uma tecnologia que permite reproduzir músicas em altíssima qualidade, via streaming, no formato FLAC. Com o áudio sendo transmitido em 16 bits, sem perdas ou compressão, e com qualidade comparável aos CDs, fica difícil defender os antigos “disquinhos”.

Entretanto, se você passou os anos 1990 acumulando CDs na estante e não pretende se livrar tão cedo ou mesmo gostaria de dar um fim mais honroso para eles, aqui apresentamos algumas dicas para ressuscitá-los.

1. Coloque para rodar

Infelizmente, a disponibilidade de CD players no mercado não é mais a mesma de cerca de 20 anos. Porém, ainda é possível encontrar aparelhos tocadores, como é o caso do belo –mas não menos caro– CD Player Air CD Pro Ion ICD08. O aparelho oferece a possibilidade de escutar os discos por meio de fones de ouvido sem fio, além de servir como um bom item de decoração.

Para quem curte fazer festa em casa, é possível adquirir o Mini System MHC-V02 da Sony, que ainda mantém uma entrada para CDs. O dispositivo também tem compatibilidade com o Sony Music Center para controlar a música, as cores da iluminação, os modos de DJ e de karaoke, tudo pelo celular.

E quem é fã dos players portáteis –os famosos “discmans”– será possível reviver essa época com um projeto da NINM Labs, que pretende lançar um gadget que busca unir a reprodução dos antigos discos, com novas tecnologias como fones de ouvido sem fio e tecnologia bluetooth.

2. É hora de ripar

Agora, se você gostaria de economizar espaço em casa e não perder o dinheiro investido nas mídias físicas, experimente converter –ou “ripar”, se preferir– os CDs para arquivos de áudio em mp3.

Existem empresas que oferecem esse tipo de serviço, facilitando o trabalho daqueles que têm dezenas ou mesmo centenas de discos guardados.

Entretanto, o mesmo trabalho pode ser feito de forma caseira, bastando apenas comprar uma unidade de CD externa. Basta plugá-la em um PC ou notebook via USB e utilizar programas como MakeMKV, Handbrake ou WinX DVD Ripper, por exemplo.

E para quem entende de servidores, é possível montar uma biblioteca com todos os áudios ripados e criar uma espécie de “Spotify caseiro”, transmitindo os arquivos via streaming, por meio de programas como o VLC.

3. Não jogue fora

Agora, se você quer realmente dar um fim para a sua coleção de CDs, evite simplesmente jogar no lixo.

Os CDs –assim como as caixinhas– são compostos por metais e plásticos e, portanto, são recicláveis. Infelizmente, não há muitas empresas ou ONGs no Brasil que fazem a reciclagem desse material.

Porém, em vez de descartá-los, considere dar outro fim mais honroso para eles.

Por exemplo, pense na possibilidade de doar os CDs para algum sebo da sua cidade. Por mais que eles não sejam mais utilizados por você, ainda existirão pessoas que preferem escutar músicas no formato antigo.

Dependendo do estado dos discos, também é possível fazer um bom dinheiro ao vendê-los para colecionadores na internet.

E, finalmente, existem vários tutoriais na internet que ensinam como transformam os CDs em verdadeiras obras de arte ou mesmos itens de decoração para sua casa.

Se você não se encaixa em nenhuma dessas opções, simplesmente mantenha sua coleção e espere um novo “revival” da mídia. Nunca se sabe o que o mercado musical pode aprontar…