A pandemia ainda não acabou.

Por mais que as campanhas de vacinação estejam avançado no mundo, o aparecimento da variante Ômicron, da Covid-19, começa a ameaçar grandes eventos, como é o caso da Consumer Electronics Show (CES), que ocorre em Las Vegas, nos Estados Unidos, em janeiro próximo.

Em meio a preocupações sobre a disseminação do vírus e novas restrições sanitárias, grandes big techs, como Amazon, Twitter e Meta (do Facebook) já anunciaram que não pretendem enviar expositores para a CES 2022. A lista inclui ainda Lenovo, Intel e muitos outros.

Já outras empresas, como a Sony, Waymo e Alphabet (do Google) ainda planejam comparecer.

Geralmente, mais de 2 mil marcas participam do evento, mas esse número está diminuindo a cada dia, conforme a nova variante se espalha pelo mundo.

CES é referência tech

A CES é considerada um dos mais importantes eventos da tecnologia, onde empresas apresentam seus mais novos gadgets e falam sobre tendências do setor. A feira já chegou a atrair 180 mil participantes.

O evento de 2022 contará com protocolos sanitários obrigatórios, como uso de máscaras, realização de testes de Covid e apresentação de comprovante de vacinação.

Marcado para começar em 5 de janeiro de 2022, em Las Vegas, a CES 2022 deverá durar quatro dias. Em paralelo ao evento presencial, também existirá uma versão online, com acesso a sessões de conferências, palestras e networking.

Em 2021, por conta da pandemia, o evento foi realizado totalmente online.