Na quinta-feira (10), tivemos o primeiro caso confirmado de reinfecção por COVID-19 no Brasil. A informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde e divulgada pela Secretaria de Saúde no Rio Grande do Norte, onde o caso foi registrado.

A paciente de 37 anos, que mora em Natal, é profissional de saúde no Rio Grande do Norte e Paraíba. Sua primeira infecção foi em junho, quando ela cumpriu isolamento social e se curou. Os sintomas, na época, foram dor de cabeça, dor abdominal e coriza, sem a necessidade de internação.

Quatro meses depois, em outubro, ela realizou um novo teste, na Paraíba, após sentir fraqueza, dor muscular, dor de cabeça frontal e distúrbios gustativos e olfativos. O resultado do novo teste também foi positivo.

As amostras foram encaminhadas para análise da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. Segundo a Secretaria de Saúde do Rio Grande do Norte, este primeiro caso de reinfecção foi confirmado após a identificação de linhagens distintas do vírus nas amostras da paciente.

Apesar de esta ser a primeira confirmação do país, outros cinco casos estão sendo investigados, sendo que centenas de outras suspeitas vêm sendo estudadas. Por enquanto, o caso do Rio Grande do Norte foi o único que preencheu os requisitos determinados pela Fiocruz, como o intervalo de mais de 90 dias entre as datas de contágio. No caso da paciente, a diferença foi de 116 dias.

De acordo com a Fiocruz, após as amostras serem submetidas à técnica de sequenciamento genético, foram identificadas duas linhas distintas de SARS-CoV-2, vírus causador da COVID-19, cada um pertencente às duas épocas diferentes de infecção.

A notícia foi divulgada no mesmo dia em que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou as regras para a autorização de uso emergencial de vacinas contra COVID-19.

[UOL, Fiocruz]