A Intel anunciou na quarta-feira (7) que seus processadores para desktop de 11ª geração, batizados de Rocket Lake, serão lançados no primeiro trimestre de 2021. Mas, ao contrário da 10ª geração, a 11ª fornecerá suporte para PCIe 4.0. Não foram fornecidas muitas informações além disso, embora a Intel tenha dito que revelaria mais nos próximos meses.

A janela de lançamento atual marcará apenas um ano desde que a Intel lançou seus processadores para desktop de 10ª geração (Comet Lake) junto com um novo chipset e socket para placa-mãe. Se você comprou uma versão nova no ano passado…sinto muito. Mas pelo menos essas placas-mãe não suportarão apenas os próximos processadores Rocket Lake, mas já estão equipadas com suporte PCIe 4.0. A Intel teve problemas para fazer seu chipset da série 400 funcionar com PCIe 4.0, então foi um problema mais do Comet Lake do que da placa-mãe.

Além disso, é provável que a Intel lance um novo chipset com seus processadores para desktop de próxima geração – o que também significará ainda mais placas-mãe novas. (Mas, novamente, as placas-mãe da série 400 funcionarão com o Rocket Lake. Tudo o que eles precisam é de uma atualização.) Há rumores de que os chipsets Z590, H570, B560 e H510 serão lançados ao mesmo tempo no ano que vem.

Ainda há algumas dúvidas sobre em que arquitetura o Rocket Lake será baseado. A Intel manteve seu processo de 14 nm por vários anos, principalmente por causa de seus problemas de transição para o processo de 10 nm. Seu processador móvel de 11ª geração, Tiger Lake, é baseado no processo de 10 nm, mas isso não significa necessariamente que o Rocket Lake também será. Rumores apontam que ele é baseado no mesmo processo de 10nm, mas com backport para o processo de 14nm. Se for verdade, essa pode ser uma maneira interessante de tornar essas futuras CPUs melhores do que a de 10ª geração. Há muito que a Intel pode tirar de seu design de 14 nm neste ponto, e vimos isso atingir seus limites com CPUs de última geração quando as testamos em junho de 2020.

O Rocket Lake também pode ser baseado no design do chip de seus processadores móveis de 11ª geração – o que significa que pode ter várias matrizes e camadas de eletrônicos embalados em um único pacote de chip. Se for esse o caso, então é possível que alguns processadores para desktop de 11ª geração também venham com os novos gráficos integrados Iris Xe da Intel. Tudo o que resta para especular é o quão rápido essas novas CPUs para desktop serão. Esperamos obter um resumo completo antes do final do ano.

Enquanto isso, a AMD deve revelar mais detalhes na quinta-feira (8) sobre sua próxima geração de processadores para desktop, a série Ryzen 4000, que será baseada em sua arquitetura Zen 3. O Zen 2, no qual as CPUs da série 3000 são baseadas, serviu de base para uma geração incrível de processadores, mas espera-se que o Zen 3 faça muito, muito mais.