Quanto a Intel pode extrair de sua arquitetura de 14 nm? Bastante, principalmente porque as coisas não foram como planejadas para o processo de 10 nm. Depois de seis anos no mesmo processo e cinco na mesma arquitetura, essa última rodada de processadores para desktop ainda consegue ter alguns diferenciais, principalmente no STIM (material de interface térmica de solda) de matriz mais fina que ajuda a melhorar o desempenho térmico e um impulso clock de até 5,3 GHz em sua CPU de ponta, o Core i9-10900K. Mas quando você executa os benchmarks e os compara com outros processadores no mercado, fica claro que a Intel atingiu seu limite com os 14 nm.

Depois de todo esse tempo, a Intel realmente precisará encontrar uma maneira de passar para uma arquitetura menor de transistor (provavelmente 7 nm) se quiser competir com a AMD.

A Intel tem usado o mesmo processo de 14 nm nos últimos seis anos. Durante esse período, a AMD fez grandes progressos com seus processadores para desktop, aumentando notavelmente a velocidade do clock e a contagem de núcleos, enquanto passava para um processo de 7 nm.

O ditado atual é que a Intel ainda possui os melhores processadores para aplicativos de núcleo único, como jogos, enquanto a AMD possui os melhores processadores para tarefas de múltiplos núcleos, como renderização em 3D. Mas a AMD ainda está fabricando CPUs sólidas para jogos também. Especialmente os Ryzen de terceira geração que têm desempenho comparável aos processadores da Intel quando emparelhados com a mesma placa gráfica. E a AMD geralmente é mais barata, tornando as opções com custo benefício melhor do que as CPUs Intel, dependendo do modelo e para o que você precisa de um determinado processador.

Embora a Intel possa se sobressair no desempenho de núcleo único — que é o que os jogos realmente confiam — , ela também usa um arquitetura e um processo praticamente antigo par fazer isso. Os 10 nm da intel, que finalmente foram lançados no ano passado com sua arquitetura móvel Ice Lake, tiveram dificuldades. O chefe financeiro da Intel, George Davis, reconheceu que as CPUS de 10 nm “não serão o nó tão forte quanto as pessoas esperariam dos de 14 nm” durante uma conferência do banco Morgan Stanley em março de 2020.

Processadores Intel de 10ª geração para desktop
Chip Intel Core i5. Crédito:Joanna Nelius/Gizmodo
O que é?
O Core i5-10600K e Core i9-10900K são dois dos últimos processadores para desktop de 10ª geração da Intel.
Preço:
US$ 262 e US$ 488 nos EUA
Curti
Boas temperaturas, o modelo i5-10600K tem bom desempenho para games.
Não curti
Desempenho abaixo do esperado no i9-10900K, pouco espaço para overclocking.

Mas enquanto a Intel se autodenomina como o processador de jogos mais rápido, eu esperava um desempenho muito melhor do Core i9-10900K da Intel, especialmente se comparado ao Core i9-9900K.

Pelo que experimentei, se você acabou de comprar um Intel Core i9-9900K de dois anos ou Ryzen 9 3900X de um ano, não deve se arrepender de sua compra. Entre transcodificação, renderização e jogos, o Core i9-10900K não é uma melhoria impressionante sobre o Intel Core i9-9900K, especialmente para justificar o gasto de US$ 488 nos EUA. A Intel também me enviou seu Core i5-10600K, e pelo preço e desempenho é uma compra muito mais razoável por US$ 262. Ele possui um clock de impulso de 4,8 GHz, embora eu geralmente tenha atingido velocidades de 4,9 GHz. O core i9-10900K alcançou a velocidade máxima de 5 GHz nos meus testes, mesmo com a tecnologia Thermal Velocity Boost da Intel e a tecnologia Turbo Max da Intel, que temporariamente dão ao processador um aumento de 10 a 200 MHz em temperaturas mais baixas do núcleo.

Mas, independentemente de você optar por uma opção de gama alta ou média, precisará desembolar mais dinheiro para uma nova placa-mãe, pois a Intel redesenhou seu soquete novamente. Isso é difícil para alguns quando os 14 nm estão chegando ao fim da vida e com os 7 nm no horizonte.

A obtenção de uma nova placa-mãe é mais justificável com o Core i5-10600K, pois ele oferece um desempenho estelar de 1080p em jogos ultra, mas se você é um entusiasta que procurar espremer até o último quadro possível, verá apenas uma pequena melhora no desempenho pelo dobro do preço do Core i5 de gama média, embora o Core i9-10900K tenha mais quatro núcleos.

Mas vamos aos resultados para que você possa ver por que estou com dificuldades para me impressionar com as últimas CPUs topo de linha da Intel. Para este teste, usei: uma GPU RTX 2080 Ti, placa-mãe Asus Rog Maximus XII Extreme, memória G.Skill Trident Z Royal de 16 GB (2x 8 GB) DDR4-3600, SSD de 500 GB da Samsung 970 Evo NVMe M.2, Seasonic Focus GX-1000 e para o resfriamento um sistema Corsair H150i Pro RGB 360 mm.

Uma das coisas que notei imediatamente foi a temperatura dos dois processadores. Elas ficam entre 70 e 75 graus Celsius enquanto estavam sob carga. É verdade que usei um cooler robusto, mas isso parece apoiar as alegações da Intel de que afinar o STIM da matriz melhorou o desempenho térmico. No entanto, o consumo de energia nunca foi superior a 250 W, enquanto outros testes viram chegar a 330 W. Essa pode ser a razão pela qual eu vi um desempenho medíocre em comparação: falta de energia, embora 330 W seja uma quantidade absurda de energia para sugar e a maioria das pessoas não montará PCs projetados para sustentar esse tipo de consumo de energia.

Outro problema foi que os núcleos no i9-10900K nunca atingiram 5,3 GHz, mesmo depois que eu segui a sugestão da Intel de mudar a solução de resfriamento NH-D15 da Notcua para o H150i Pro RGB de 360 mm da Corsair, ou do ar para o resfriamento líquido tudo em um. Parece que nem o H150i foi suficiente para diminuir a temperatura, de modo que a tecnologia Thermal Velocity Boost e Turbo Boost Max pudessem entrar em ação e me fornecer a potência prometida pela Intel.

Nossos benchmarks mostraram que o Core i9-10900K não bate o Ryzen 9 3900X em cargas de trabalho multicore, segundo os meus testes. (Eu, infelizmente, não tinha as gerações atuais do Ryzen, então eu comparei com nossos dados de benchmark). Onde o Core i9-10900K obtém respeitosos 37650 pontos no Geebench 4, o Ryzen 9 3900X obtém 39850.

O Ryzen 9 3900X também bate o Core i9-10900K quando se trata de tempos de transcodificação e renderização em 3D. Enquanto o processador AMD transcodificou um vídeo 4K para 1080p no Handbrake em 264,2 segundos (4,4 minutos), o processador Intel transcodificou o mesmo vídeo em 360 segundos (6 minutos).

Essa disparidade continua nos tempos de renderização em 3D com o Blender. O Ryzen 3900X pode renderizar uma imagem 3D em 158,2 segundos (2,6 minutos), enquanto o Core i9-10900K renderiza a mesma imagem em 279 segundos (4,7 minutos).

Isto não é uma surpresa desde que o Ryzen 9 3900X é um processador de 12 cores/12 threads, embora o Core i9-10900k tenha 10 cores/20 threads, e a AMD é melhor em lidar com cargas de trabalho multi-core. Mas aqui está a surpresa disso tudo: o Core i9 10900K não superou seu antecessor, o Core i9-9900K, que tem 8 cores/16 threads.

Entrei em contato com a Intel, mas infelizmente não recebi as respostas até o momento (No momento, estou aguardando uma nova CPU e uma nova placa-mãe para fazer os testes novamente). Apesar das diferenças de placa-mãe, nossos dois testes contavam com as mesmas especificações. É possível que a placa-mãe cara que estou usando não seja capaz de lidar com o tanto de potência do Core i9-10900K precisa, mas novamente não tenho certeza se o problema aqui é a placa Asus ROG Maximus XII Extreme.

O Core i9-9900K transcodificou o vídeo 4K em 351 segundos (5,9 minutos) e renderizou a mesma imagem3D em 231 segundos (3,9 minutos). No entanto, no Geekbench 4, o 9900K teve uma pontuação menor multi-core, 33912 comparado com 37650 do 10900K. Na pontuação single-core, o 9900K ganhou por pouco, com 6109 contra 6015.

Embora o 10900K tenha um clock que atinge até 5,3 GHz, eu nunca atingi esses números, chegando ao pico de 5 GHz, mas mesmo com a otimização de IA ligada, eu vi velocidades entre 4,8 GHz – 4,9 GHz. Isso sugere que não há muito ganho de uma geração para outra baseado nos núcleos. O 10900K claramente oferece melhor processamento multi-core comparado com o 9900K devido aos seus dois cores extra, mas isso não explica por que o 9900K teve desempenho melhor que o 10900K no Blender e no Handbrake.

A Intel ainda é incomparável no desempenho de núcleo único em comparação à AMD, 5981 contra 5376 do Ryzen 9. Em um jogo como o Civilization VI, onde o tempo de execução da IA do Ryzen é de 9,08 ms a 4K, o tempo de execução da Intel é de 6,4 ms. No entanto, voltando ao Core i9-9900K, foi um pouco mais lento no Civilization VI a 6,9 ms.

Até o Core i5-10600K teve a pontuação do Civlization VI perto dos dois Core i9: 6,5 ms. Sua pontuação de núcleo único no Geekbench 4 não ficou muito atrás dos dois em 5836, mas foi muito mais lenta em cargas de trabalho de vários núcleos — o que não é surpreendente para um processador de 6 núcleos/12 threads.

Passando para o desempenho dos jogos, o Core i5-10600K é realmente uma das melhores CPUs de nível intermediário que você pode obter, considerando preço e desempenho. Está dentro de cinco frames por segundo comparado com o Core i9-9900K em Shadow of Tomb Raider e teve desempenho parecido no Far Cry 5. O i5-10600K pode até conseguir a média de 60 fps em 4K na maioria dos jogos com ajuda da RTX 2080 tI.

O Core i9-10900K obtém cerca de 10 a 15 fps a mais na maioria dos jogos que o i5-10600K com a mesma GPU, superando mais de 130 fps em todos os jogos, exceto no Total War: Warhammer II. Não há dúvida de que, se você deseja o melhor desempenho absoluto em jogos, usa o i9-10900K. Mas a proposta de valor não é tão grande quanto o i5-10600K e à alta demanda de energia.

Questões suspeitas e não resolvidas à parte, além do Core i9-10900K, a Intel sempre conseguiu criar melhores processadores a cada geração, mesmo com o mesmo processo de 14 nm. O quanto que vale a pena atualizar ou colocar em seu próximo equipamento depende do que você seja que seu PC faça e de quanto dinheiro você está disposto a gastar, claro.

Se você não precisar de cargas de trabalho com vários cores, o Core i5-10600K oferece bastante desempenho e, mesmo se você não tiver uma RTX 2080 Ti, ainda obterá um desempenho ultra de 1080p mais do que suficiente com a ajuda de uma RTX 2060 Super.

O que você está economizando na CPU, você poderá colocar na GPU, algo que eu recomendo bastante. O I9-10900K é para um grupo de nicho e, se você quiser, vá em frente. Mas a proposta de valor não é suficiente para mim.

Mas, considerando que a Intel deve mudar para um novo processo no próximo ano, não parece a melhor ideia para pegar o que é, espero, uma CPU de sua última geração de processo de 14 nm.

Se você precisa absolutamente de uma CPU Intel no momento, essa i5-10600K é um ótimo negócio, mas a próxima geração de processadores Ryzen da AMD é esperada ainda este ano e a Intel passa para um processo menor (e provavelmente muito mais rápido e eficiente) no próximo ano pode ser melhor esperar, a menos que você precise do desempenho estelar de 1080p agora.

Leia-me

  • Core i5-10600K é uma das melhores CPUs de nível intermediário do mercado.
  • Benchmarks incomuns do Core i9-10900K possivelmente estão ligados a problemas da placa-mãe.
  • Bom, mas ainda inferior ao esperado para as duas CPUs.
  • Você vai precisar de uma nova placa-mãe.