No mês passado, os fãs de música ganharam uma nova opção de serviço de streaming para aproveitar os artistas favoritos. O Qobuz é uma plataforma de streaming francesa especializada em som “Hi-Res”, que significa “alta resolução”, com reprodução de alta qualidade.

A novidade promete agradar não só aos fãs que querem curtir um bom som, mas também aos audiófilos.

A plataforma foi fundada em 2007, quando o streaming ainda estava engatinhando no mundo e nem se imaginava a dimensão que ele poderia alcançar nos anos seguintes.

Desde então, o serviço cresceu, está presente em mais de 20 países e ostenta um catálogo que reúne mais de 80 milhões de músicas de artistas do mundo inteiro.

O serviço de streaming é certificado para áudio Hi-Res pela Japan Audio Society, que estabelece uma série de rigorosos requisitos para as plataformas ou fabricantes de produtos para reprodução de áudio. As empresas só recebem o certificado caso cumpram todos os requisitos.

Qobuz oferece um serviço completo para os fãs mais apaixonados por música, contando com uma extensa produção editorial com textos, resenhas, entrevistas e biografias de vários artistas, colaborando para o usuário ter um conhecimento mais profundo sobre o que está ouvindo.

Além disso, a plataforma foge da famosa “curadoria algorítmica”, quando uma inteligência artificial recomenda artistas baseando-se nos estilos musicais, bandas e cantores ouvidos, e oferece uma curadoria humana, apresentando ao usuário artistas de fora do cenário mainstream ou que estejam em ascensão no mundo da música.

A plataforma preparou playlists exclusivas para o público brasileiro, com artistas emergentes e pouco conhecidos, mas que foram cuidadosamente escolhidos pelo talento e originalidade. Os usuários podem aproveitar o serviço por preços a partir de R$ 21,60 por mês.

Confira mais notícias sobre o mundo do streaming:

Claro reformula serviços e lança streaming “Claro TV+”

Futebol na TV: entre tantos streamings, onde saber quem transmite o seu time

Spotify e Tinder não são transparentes em suas políticas de privacidade, diz estudo investigativo

Assine a newsletter do Gizmodo