Qual foi o seu almoço de hoje? Peixe, feijoada, macarrão? Hoje em dia temos acesso a uma variedade imensa de alimentos, mas dificilmente paramos para pensar na origem deles. 

Apesar desse não ser um questionamento geral da população, a criação dos pratos culinários era algo presente no imaginário de Lynne Olver, uma bibliotecária de Nova Jersey, nos EUA. 

Ela morreu em 2015, após uma batalha de meses contra uma forma rara de leucemia. Mas deixou uma herança: a maior base de dados sobre a história cronológica da comida já feita, a qual a moça dedicou 16 anos de sua vida. 

A The Food Timeline foi criada em 1999. Na época, a linha do tempo ocupava apenas uma página da web. Com o tempo, Olver passou a colecionar livros de receita antigos, jornais, revistas e outras publicações a fim de desvendar o histórico da alimentação humana. 

Ela também aprendeu HTML e se dedicava ao desenvolvimento do site 30 horas por semana. Hoje, o site possui mais de 70 páginas repletas de informações históricas e suas fontes. Você pode ter acesso à linha do tempo CLICANDO AQUI.

A linha do tempo registra a água e o gelo como os primeiros alimentos da história. Sal, moluscos e até insetos vem logo em seguida na escala evolutiva. Os últimos alimentos da plataforma, cronuts (mistura de croissant com donut) e hambúrgueres criados em laboratório, remetem ao ano de 2013.

Já a lasanha, comida que incita o questionamento do título, é descrita como uma invenção medieval. De acordo com o site, o prato costumava ser servido com queijo durante a quaresma e outros dias de abstinência de carne na cultura cristã.

A plataforma desenvolvida por Olver foi reconhecida pela American Library Association e revisada pela associação em julho de 2009. Em 2020, a Virginia Tech herdou a coleção de mais de dois mil livros físicos da bibliotecária e passou a gerenciar os recursos da web. 

Até março de 2014, a linha do tempo havia recebido cerca de 35 milhões de visitantes. A iniciativa da bibliotecária curiosa deve seguir impactando pessoas mundo afora.