Pela primeira vez na história da astronomia, um radiotelescópio espacial está coletando dados do outro lado da Lua, em um local livre de interferências da Terra. Essa colaboração entre a China e a Holanda poderia fornecer novas ideias sobre as condições do universo primitivo.

O instrumento, chamado de Netherlands-China Low Frequency Explorer (NCLE), está localizado no Queqiao, um satélite de comunicação chinês que foi lançado em apoio à missão Chang’e 4, a primeira missão de aterrissagem suave e robótica para o lado mais distante da Lua. O NCLE foi desenvolvido na Holanda pela Universidade Radboud, ASTRON e ISISpace, com o apoio do Escritório Espacial da Holanda.

Atualmente, Queqiao está localizado a cerca de 450.000 quilômetros da Terra e está posicionado em uma órbita de halo que mantém o satélite no ponto L2 Lagrange Terra-Lua  (para que o satélite fique atrás da Lua da nossa perspectiva, nunca se posicionando entre a Terra e a Lua).

Até agora, Queqiao fornecia serviços de telecomunicação para a missão Chang’e 4, atuando como uma estação de retransmissão entre o Yutu 2 e o centro de controle de projetos da China na Terra. O radiotelescópio holandês-chinês está inativo desde que foi lançado em maio de 2018. O dispositivo NCLE deveria ter sido implantado há alguns meses, mas foi adiado devido ao tremendo sucesso da missão Chang’e 4, que não era esperado que durasse além de março de 2019.

A Administração Espacial Nacional da China (CNSA) decidiu agora avançar para a próxima etapa da missão e converter Queqiao em um observatório de radioastronomia, de acordo com um comunicado de imprensa da Universidade Radboud. Agora, três antenas foram parcialmente desenroladas, permitindo varreduras de rádio no espaço – sem a interferência incômoda da atmosfera da Terra.

O desdobramento de uma das três antenas do NCLE. Imagem: Marc Klein Wolt/Universidade Radboud

“Finalmente estamos trabalhando e temos um instrumento de radioastronomia de origem holandesa no espaço”, disse Heino Falcke, da Universidade Radboud, em um comunicado de imprensa. “A equipe se esforçou de forma incrível, e os primeiros dados revelarão o desempenho do instrumento”.

O NCLE deve ser capaz de detectar sinais de rádio super-fracos, o que será suficiente com suas três antenas de 5 metros de comprimento, que funcionam na faixa de frequência de rádio de 80 kHz a 80 MHz, de acordo com o ISISpace, uma fabricante holandesa de satélite envolvida na missão. Os cientistas esperam capturar sinais de rádio associados à Idade das Trevas do universo – o período imediatamente após o Big Bang, antes do nascimento das estrelas.

Os sinais de rádio desta época embrionária são “considerados o santo graal da cosmologia”, de acordo com o ISISpace. Esses sinais antigos são em grande parte indetectáveis ​​da Terra, pois são bloqueados pela atmosfera do nosso planeta. Os dados de rádio da Idade das Trevas poderiam revelar novos insights sobre as primeiras estrelas e galáxias, bem como a matéria escura e a energia escura, que ainda são fenômenos cosmológicos pouco compreendidos.

O desenrolar das três antenas, guardadas dentro de Queqiao, não foi um processo tranquilo, de acordo com o comunicado de imprensa:

A permanência mais longa atrás da Lua provavelmente teve um efeito nas antenas. A princípio, as antenas se desdobraram sem problemas, mas, à medida que o processo avançava, tornou-se cada vez mais difícil. Portanto, a equipe decidiu coletar dados primeiro e talvez desdobrar as antenas posteriormente. Com essas antenas mais curtas, o instrumento é sensível a sinais de cerca de 800 milhões de anos após o Big Bang. Uma vez desdobrado em toda sua extensão, eles poderão capturar sinais logo após o Big Bang.

Não foram fornecidos mais detalhes sobre a anomalia, mas o vídeo da instalação da antena NCLE em um ambiente de laboratório pode ser visto aqui.

Esperançosamente, isso não será um problema contínuo e a equipe poderá estender as antenas para sua posição completa sem mais problemas. A missão Chang’e 4 apresentou uma oportunidade realmente interessante para os cientistas coletarem dados que, de outra forma, permaneceriam invisíveis para nós. Aguardamos ansiosamente os resultados desta emocionante próxima fase da missão.