Os cientistas dizem que descobriram evidências de como foi o primeiro dia após o evento de impacto que causou a morte de dinossauros, graças a uma análise de rocha retirada da famosa cratera Chixculub.

Um asteroide atingiu a Terra há cerca de 66 milhões de anos, causando eventos catastróficos que mudaram o curso da vida neste planeta. Núcleos de rochas retirados recentemente da cratera resultante mostram evidências de colinas, tsunamis, incêndios e gases que alteraram a atmosfera, todos produzidos no primeiro dia após o impacto.

“É tão raro em geologia conseguirmos olhar para as rochas e ler uma história na escala de horas”, disse ao Gizmodo Sean Guelick, o primeiro autor do estudo da Universidade do Texas em Austin.

O impacto provavelmente foi o seguinte, com base nas amostras de rocha e no que já sabemos sobre a área ao redor da cratera. Inicialmente, o local do impacto era um oceano raso, com menos de 30 metros de profundidade. Uma rocha enorme, talvez com alguns quilômetros de largura, atingiu o solo e imediatamente criou uma grande cratera. O meteorito teria levantado rochas que depois desabaram para fora, criando um anel montanhoso. Logo, o anel seria coberto por mais de trinta metros da chamada rocha chocada, deformada pelo alto calor e pressão. O oceano teria então enchido a cratera, depositando quaisquer detritos que estivesse carregando. Finalmente, a onda que inundou a terra retornaria, depositando terra e outros materiais que capturava da costa. O processo levaria apenas algumas horas, segundo o artigo publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences..

“Você olha para um metro de núcleo e, normalmente, vê milhões de anos. Nesse caso, você instantaneamente fez um buraco com o impacto e o enterrou com todos esses processos dinâmicos ”, disse Guelick.

Uma grande equipe de pesquisadores coletou amostras de rochas cilíndricas a centenas de metros abaixo do fundo do mar e as analisou como parte de uma missão do International Ocean Discovery Program, uma organização que financia vários projetos de pesquisa do fundo do mar. Guelick explicou que a análise ocorreu a bordo do navio, em Houston, na Alemanha e em outros lugares, usando equipamentos médicos e químicos para determinar a composição da rocha. Os pesquisadores manipularam cuidadosamente as amostras para evitar contaminá-las com material moderno.

Talvez, o mais surpreendente tenha sido a terra e as partículas de carvão que encontraram na rocha, evidência de que um tsunami retornou ao local do impacto da costa. “Isso fala da energia do impacto”, disse Katherine Freeman, uma das autoras do estudo e professora da Penn State, ao Gizmodo. Ela explicou que os padrões no carvão eram complexos, por isso não é tão fácil quanto simplesmente dizer que houve incêndios florestais, mas o carvão era sugestivo de aquecimento de alta energia que acontecia a centenas de quilômetros de distância.

Esta pesquisa não oferece imediatamente uma explicação de como o impacto levou à extinção em massa. No entanto, o núcleo parecia estar com falta de enxofre, disse Guelick. Isso pode significar que o impacto liberou o enxofre na atmosfera. Uma extinção em massa exigiria uma catástrofe em todo o planeta, e uma rápida adição de enxofre e outras moléculas à atmosfera poderia ter causado resfriamento e escuridão globais.

“É um episódio realmente importante na evolução da vida na Terra”, disse ao Gizmodo H. Jay Melosh, professor da Universidade Purdue, que colaborou com essa equipe, mas não fazia parte deste artigo específico. Ele disse que o trabalho era uma documentação importante dos eventos que se seguiram imediatamente ao impacto. Mas ele ressaltou que este é apenas um artigo sobre um núcleo. Mais pesquisas sobre esse núcleo e outros ajudarão os cientistas a criar uma imagem melhor do evento que matou a maior parte da vida na Terra.