Uma pequena quantidade de plutônio e césio radioativo sumiu após dois especialistas de segurança do governo dos EUA terem deixado amostras no carro deles no estacionamento de um hotel durante a noite.

Os especialistas, que trabalham no Laboratório Nacional de Idaho, ligado ao Departamento de Energia, tinham como objetivo coletar material nuclear de um laboratório sem fins lucrativos em San Antonio (Texas), em março de 2017, segundo um relatório do The Center of Public Integrity e que só foi divulgado publicamente nesta segunda-feira (16). Durante a viagem desses funcionários do governo ao Texas, eles levaram com eles um detector de radiação e amostras de materiais radioativos para poder calibrar o dispositivo.

A limpeza de Fukushima está progredindo, mas em um ritmo minucioso
A verdadeira escala de bombas nucleares é totalmente assustadora

Durante uma das paradas, o veículo que usavam, um Ford Expedition, quebrou, e eles tiveram de dormir em um hotel. Ao acordar, viram que tinha um amassado perto das janelas e que haviam sido roubados os sensores e as amostras.

O Center of Public Integrity, uma organização de jornalismo investigativo, descobriu os detalhes do roubo ao obter um relatório da polícia, que continha detalhes de um relatório interno do Departamento de Energia.

Um relatório do Laboratório Nacional de Idaho descreveu o estacionamento do hotel como um local seguro. No entanto, o Center of Public Integrity descobriu, usando estatísticas da polícia, que já houve 87 roubos no local entre 2016 e 2017.

A polícia de San Antonio aparentemente consultou o FBI sobre o incidente, mas nenhuma das organizações fez anúncios públicos na época. A polícia não conseguiu obter impressões digitais dos suspeitos, filmagens do sistema de segurança ou testemunhas. A polícia também consultou casas de penhor da região para ver se achava o detector de radiação, mas não teve sucesso. Após um ano, as autoridades ainda não acharam as amostras de plutônio e césio.

Os especialistas roubados tinham associação com o Programa de Recuperação de Fontes Radioativas do Laboratório Nacional de Los Alamos. Nos últimos 20 anos, o programa recuperou mais de 38 mil amostras de material radioativo usado por instituições civis dos Estados Unidos.

Antes que você se questione sobre o nível de periculosidade desse roubo, pode ficar tranquilo: segundo Sarah Neumann, uma porta-voz do Center of Public Integrity, são necessários pelo menos 3 kg de plutônio para fazer uma arma nuclear. Portanto as amostras, cujas quantidades não foram declaradas, mas parecem ser muito pequenas, não devem fazer um estrago massivo. Mesmo assim, o governo deveria ter se pronunciado, pois tanto plutônio quanto césio são substâncias que podem matar, se inaladas por humanos, ou mesmo causar efeitos irreversíveis — vide o que aconteceu no Brasil com a contaminação por césio-137 em Goiânia (GO).

O Departamento de Polícia de San Antonio ficou chocado com a falta de cuidado dos especialistas de segurança ao lidar com as amostras. Eles “nunca deveriam ter deixado instrumentos sensíveis como esses em um veículo”, disse Carlos Ortiz, um porta-voz da polícia, ao Center of Public Integrity.

O Laboratório Nacional de Idaho não informou se as pessoas envolvidas no incidente vão ter algum tipo de punição disciplinar. Porém, como menciona o Center of Public Integrity, a Comissão Regulatória Nuclear impõe multas para grupos civis que perdem materiais nucleares. Mais recentemente, a comissão multou a Universidade do Estado de Idaho em US$ 8.500 por perder um grama de plutônio para uso militar.

[The Center of Public Integrity]

Imagem do topo por AP