Para alguns críticos, o design familiar do iPhone mais recente foi um deslize sério, uma prova concreta de que a Apple não tem mais grandes ideias. No entanto, a aparência sem graça talvez tenha dado, acidentalmente, uma boa vantagem em relação à sua maior concorrente.

• O principal motivo pelo qual baterias explodem e pegam fogo
• Anac recomenda que passageiros não usem o Galaxy Note 7 em voos pelo Brasil

Segundo a Bloomberg, os rumores de um iPhone 7 “sem graça” encorajaram executivos da Samsung – que viram ali uma oportunidade – a acelerar o desenvolvimento do Galaxy Note 7. E isso pode ter resultado no problema da bateria explosiva que arruinou tudo. Da Bloomberg:

De acordo com uma pessoa envolvida, quando um grupo de executivos importantes colocou as mãos nas primeiras versões do Note 7, muitos elogios foram feitos ao trabalho feito até aquele momento. Se a Apple não fosse oferecer algo animador para os consumidores, a Samsung certamente iria.

Com o presidente Lee no hospital, seu filho e o co-vice-presidente G.S. Choi se reuniram com executivos de outras afiliadas da Samsung, responsáveis pela produção de semicondutores, painéis de vidro e baterias. Eles seguiram adiante com uma série de novidades que estavam nos planos da companhia, incluindo uma tela e uma caneta stylus aprimorada – e de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto, aprovaram uma data de lançamento 10 dias mais cedo em relação ao ano passado.

Na pressa de lançar um novo aparelho, empregados e fornecedores relatam que ficaram sob uma pressão maior do que a comum. Alguns estavam optando por dormir no próprio escritório para economizar tempo. Questionada pela Bloomberg sobre a mudança do prazo final, a companhia disse que as datas de lançamento são determinadas pela “realização correta dos processos de desenvolvimento e de preparação do produto para o mercado”.

Mas, no final das contas, o Note 7 não estava pronto para o mercado. Logo depois do lançamento, relatos de celulares explodindo enquanto eram carregados começaram a surgir, resultando num recall global inédito e potencialmente num golpe à reputação da Samsung.

Mais explosões

Enquanto isso, um homem na Flórida está processando a Samsung depois de sofrer queimaduras severas quando seu Galaxy Note 7 explodiu em seu bolso. Jonathan Strobel, de Boca Raton, é a primeira pessoa a processar a companhia depois do início do recall. “Infelizmente, para meu cliente, o recall demorou demais”, disse o advogado Keith Pierro à Reuters.

Strobel, 28, alega que o aparelho explodiu no bolso, queimou as calças e causou sérias queimaduras na parte direita de sua perna e no polegar esquerdo, que machucou quando ele tentou tirar o aparelho do bolso.

O processo, submetido à corte de Palm Beach County na Flórida, “busca uma indenização não especificada pelas despesas médicas, dias de trabalho perdidos, dor, sofrimento e outras lesões”, de acordo com a Reuters. Uma porta-voz da Samsung disse que a empresa não comenta litígios em curso.

O rapaz não é o primeiro a afirmar que o Note 7 o causou ferimentos. Na semana passada, um dispositivo explodiu nas mãos de um garoto de 6 anos de idade. Outro homem na Flórida disse que o celular foi responsável por deixar seu Jeep em chamas. É possível que o aparelho tenha causado ainda um incêndio numa casa na Carolina do Sul e US$ 1.400 de prejuízo num quarto de hotel na Austrália.

No Brasil

O Galaxy Note 7 não chegou a ser vendido oficialmente no Brasil; seu lançamento no país foi adiado. Sobre os incidentes, a Samsung divulgou a seguinte nota:

“Há pouco mais de uma semana, a Samsung Electronics anunciou um programa global de substituição para o Galaxy Note7 como medida preventiva devido a um problema com a célula da bateria. Desde então, estamos trabalhando arduamente para acelerar o envio dos produtos, a fim de concluir esse programa de troca, minimizando qualquer possível inconveniência para nossos clientes. Na semana passada, entendemos que nossos consumidores estão preocupados e queremos enfatizar a importância da troca do produto.

“Nossa prioridade número um é a segurança de nossos consumidores. Estamos pedindo aos usuários que desliguem seus Galaxy Note7 e o substituam o mais rápido possível”, disse DJ Koh, presidente global da divisão mobile da Samsung Eletronics. “Estamos acelerando a substituição dos dispositivos para que eles possam ser entregues por meio do programa de troca do modo mais conveniente possível e em conformidade com as regulamentações vigentes. Agradecemos sinceramente a nossos clientes pela compreensão e paciência.”

Mesmo havendo apenas um pequeno número de incidentes relatados, a Samsung está bastante atenta para oferecer aos clientes o suporte necessário. A Samsung identificou o lote afetado e interrompeu as vendas e remessas desses smartphones. Nós estamos também colaborando com as agências regulatórias nacionais.

Os clientes que possuem o Galaxy Note7 podem trocar seu aparelho atual por um novo, de acordo com a disponibilidade local. Recomendamos aos usuários do Galaxy Note7 que entrem em contato com o lugar de compra ou liguem para a central de atendimento indicada na região o mais brevemente possível.”

[Bloomberg e Reuters]

Colaborou: Eve Peyser.