Quando as férias acabarem e as crianças e adolescentes franceses voltarem às aulas em setembro, eles não poderão mais levar seus smartphones e tablets para a escola. Parlamentares franceses aprovaram no início desta semana uma lei que proíbe que alunos de até 15 anos usem dispositivos eletrônicos nas escolas.

• Facebook e Instagram começam a liberar recurso que mostra seu nível de vício nas redes
• Por que as empresas começaram a se importar com vício tecnológico

As escolas francesas de ensino médio, também chamadas de liceu, poderão escolher se adotam a regra e podem até optar por uma versão mais branda, permitindo aparelhos sem conexão com a internet.

Segundo os defensores da nova legislação, a intenção é proteger as crianças de hábitos viciantes, além de preservar o ambiente de sala de aula. “Sabemos que hoje existe um fenômeno de vício em telas […] Nosso papel principal é proteger as crianças e os adolescentes. É fundamental para o papel da educação, e essa lei permite isso”, disse o ministro da educação da França, Jean-Michel Blanquer, ao canal BFMTV, de acordo com a CNN.

Porém, existem algumas exceções. Se os dispositivos forem utilizados para atividades educativas ou extracurriculares, tá tudo bem. Além disso, estudantes com deficiências estão liberados.

Esse projeto era uma das promessas da campanha do presidente francês Emmanuel Macron. O texto foi aprovado por 62 votos a um, com apoio do partido de Macron; alguns parlamentares se abstiveram afirmando que a legislação mudaria pouca coisa na prática.

De acordo com a agência de notícias AFP, desde 2010 existia uma lei que proibia o uso de smartphones durante as aulas. A partir de agora, porém, os celulares e tablets estão proibidos em intervalos e durante refeições.

E essa não é a primeira batalha francesa conta o uso desenfreado da tecnologia. No ano passado, o governo aprovou uma lei que exige que as empresas francesas tenham regras para limitar o envio de emails e outros usos de tecnologias relacionados ao trabalho fora do expediente.

[Engadget, CNN]

Imagem do topo: JESHOOTScom/Pixabay