Pela primeira vez, um satélite nacional e privado foi mandado ao espaço. Estamos falando do Pion-BR1, desenvolvido pela Pion Labs, startup fundada em 2019 por estudantes da UFABC (Universidade Federal do ABC) e UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro).

O lançamento ocorreu no início desta tarde quinta-feira (13) em Cabo Canaveral, na Flórida (EUA). O satélite de tamanho similar ao de um celular está viajando a bordo do foguete Falcon 9, da SpaceX, e deve ser liberado em uma órbita de 520 quilômetros de altitude. 

O Pion-BR1 é um pocketcube: como o nome adianta, ele tem o tamanho de um cubo e cabe no bolso. Os pesquisadores levaram cerca de sete meses para construí-lo e, como contaram à revista Galileu, utilizaram apenas recursos brasileiros para tal – com exceção de uma peça importada ou outra.

Por enquanto, o principal objetivo dos cientistas é testar o Pion-BR1 no espaço. O satélite brasileiro deve ficar em órbita por dois anos enquanto os pesquisadores checam o funcionamento de sua comunicação e bateria, entre outras funções.

No futuro, a Pion Labs planeja colocar em órbita uma constelação de satélites. Dessa forma, seria possível obter dados do Brasil em qualquer época do ano, pois sempre teria um dispositivo pairando sobre o nosso país. 

De toda forma, algumas informações já devem ser adquiridas com o Pion-BR1. Todas elas serão compartilhadas com participantes da Olimpíada Brasileira de Satélites, organizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. A ideia com isso, segundo os responsáveis pelo projeto, é que os estudantes entendam e se aproximem dos dados espaciais e do projeto no geral.