A Starlink abriu pré-encomendas para o seu serviço de internet via satélite em fevereiro por um investimento inicial de US$ 99, mas parece que a empresa não planeja oferecer qualquer tipo de plano diferenciado.

Gwynne Shotwell, presidente da SpaceX, disse durante um painel do Satellite 2021 LEO Digital Forum na terça-feira (6) que a empresa não pretende “fazer preços diferenciados para os consumidores” para o serviço de internet via satélite da Starlink, de acordo com a CNBC. Shotwell acrescentou que a companhia “tentará mantê-lo o mais simples e transparente possível, portanto, no momento, não há planos de oferecer opções para os consumidores”.

Isso poderia ser um sucesso ou fracasso para assinantes em potencial que estavam esperando por uma versão com desconto — ou ainda mais premium — do serviço que a empresa oferece atualmente. O investimento inicial reembolsável de US$ 99 divulgado em fevereiro não cobre o custo total do serviço.

O kit de instalação Starlink custa US$ 499 e inclui uma fonte de alimentação, um roteador Wi-Fi e uma antena parabólica montável. O envio e a instalação adicionarão pelo menos outros US$ 50 a esse preço. E depois há o serviço em si, que custa US$ 99 por mês. Isso pode tornar a Starlink a opção menos acessível para, por exemplo, famílias de baixa renda em regiões rurais. E esses clientes poderiam se beneficiar mais com o serviço de satélite da Starlink do que com o 5G.

Assine a newsletter do Gizmodo

Mas esse é o público que a Starlink quer atender, afirmou Shotwell, acrescentando que a empresa “será capaz de atender a todas as famílias rurais dos Estados Unidos”, de acordo com a CNBC, ou cerca de 60 milhões de pessoas.

Se for esse o caso, parece que a Starlink precisa reavaliar seriamente seus custos iniciais.