Estima-se que, apenas na Europa, 275 mil pessoas sofram parada cardíaca em casa anualmente. A chance de sobrevivência do paciente diminui entre 7 e 10% a cada minuto que passa sem o auxílio de atendimento médico. Por conta disso, a média de sobreviventes é de apenas 10%.

Para driblar o problema, a empresa sueca Everdrone está trabalhando em um drone autônomo capaz de levar um desfibrilador até a casa do paciente. Dessa forma, a ferramenta chega primeiro que a ambulância e, caso haja alguém preparado para o atendimento de primeiros socorros, os cuidados começam antes. 

O Caso

O primeiro caso de sucesso foi registrado em dezembro de 2021. Um homem na Suécia de 71 anos estava limpando a neve de sua garagem quando sofreu parada cardíaca. Um médico que estava indo para seu trabalho passou pelo local e viu o idoso desmaiado. Enquanto ele prestava atendimento, outras pessoas que estavam próximas ligaram para a emergência. O desfibrilador chegou em cerca de três minutos, antes mesmo que a ambulância.

Drone com desfibrilador
Drone carregando desfibrilador. Imagem: Everdrone/Reprodução

Em nota, o paciente, que já está totalmente recuperado, disse: “Não consigo expressar em palavras o quanto sou grato a essa nova tecnologia e à rapidez na entrega do desfibrilador. Se não fosse pelo drone, eu provavelmente não estaria aqui”.

Estudos

O Everdrone’s Emergency Medical Aerial Delivery (EMADE) já havia sido testado em pesquisas anteriores. Durante um estudo piloto de quatro meses, o serviço recebeu 14 alertas de paradas cardíacas que seriam elegíveis para os drones. A ferramenta decolou em 12 destes casos, tendo sucesso em 11 deles. Sete dos desfibriladores foram entregues antes da ambulância.

Desfibrilador
Desfibrilador utilizado em emergências médicas. Imagem: Everdrone/Reprodução

O tempo médio de entrega do equipamento foi de 01:52 min. Outros 61 voos de teste adicionais apontaram para um sucesso na taxa de entrega de 90%. O estudo completo foi  publicado no European Heart Journal.

O serviço da Everdrone foi desenvolvido em parceria com o Center for Resuscitation Science do Karolinska Institutet, SOS Alarm e Region Västra Götaland. Atualmente, os drones podem atender até 200 mil pessoas na Suécia, mas já há planos de expandir o serviço para mais países da Europa em 2022.