A Samsung mostrou na CES 2018 a The Wall, uma TV 4K de 146 polegadas. Ela usa tecnologia MicroLED para conseguir atingir esse tamanho. De acordo com uma matéria do Korea Herald, Han Jong-hee, presidente da divisão de telas da empresa coreana, afirmou que uma versão para o varejo da Wall está a caminho.

A tecnologia de telas MicroLED já pode ser encontrada em alguns cinemas, onde funciona como uma alternativa ao tradicional método de tela e projetor. Em linhas gerais, ela funciona de maneira parecida com as OLEDs, controlando pixel por pixel para formar as imagens. Assim como a tecnologia “irmã”, também é encontrada com mais frequência em displays pequenos, como os de smartwatches.

Entretanto, as MicroLEDs podem ser mais baratas. Além disso, a tecnologia atual já permite que fabricantes emparelhem telas para criar displays maiores. Isso não pode ser feito com as LEDs ou OLEDs tradicionais.

Por isso, empresas como Samsung e Sony pensam na tecnologia como uma alternativa para os projetores na linha de 80 ou mais polegadas. A Sony, inclusive, já havia mostrado uma parede de MicroLEDs na CES de 2017.

A Wall foi projetada para espaços comerciais e de luxo, como hotéis, mansões e lojas. A versão para consumidores será um pouco mais esbelta, com apenas 30 milímetros de espessura. A versão comercial, que tem lançamento programado para setembro, tem 80 milímetros de profundidade.

De acordo com o jornal coreano, a Samsung se refere ao produto não como um televisor, mas sim como uma tela modular. A Wall vai permitir que os compradores combinem módulos a ela, podendo, assim, construir uma TV maior ou menor, de acordo com seu gosto. O que não sabemos é se vai dar para colocar várias dessas TVs de mais de 3,5 metros juntas.

Como nota o Engadget, a tecnologia ainda não é perfeita. “Costuras” podem aparecer entre os componentes modulares da tela, dando a impressão de “tabuleiro de xadrez”. Mesmo assim, ainda é melhor do que as TVs enormes disponíveis hoje no mercado. Além disso, deve tomar menos espaço do que um projetor 4K para uma tela de tamanho parecido. Se a Samsung conseguir resolver esse tipo de problema, o resultado pode ser bonitão. E provavelmente muito caro.

[Korea Herald via Engadget]

Imagem do topo: Samsung