A Toshiba parece determinada a não ter seus produtos tachados de clones do MacBook e cópias baratas do iPad. O Satellite U845W está em harmonia com outros lançamentos recentes e… diferentes da fabricante, como os tablets Excite. O que é uma coisa boa! Digo, até certo ponto.

A primeira coisa em que você repara no U845W, além do nome que soa como o de um protótipo secreto governamental, é a tela de 14,4″ (resolução de 1792×768) com proporção de 21:9, propícia para acomodar filmes gravados e distribuídos em 2,35:1. Mas não conte vantagem ainda. Embora haja alguma movimentação nesse sentido, uma migração total para 21:9 não deve acontecer porque seria um upgrade totalmente estranho a partir de um já funcional padrão. A sua TV e a TV do seu pai e a do seu escritório são todas 16:9, 21:9 é diferente apenas pela diferença, não agrega nada novo.

Mas ele tem seus usos. A altura da tela é bem próxima à dos ultrabooks de 11″, o que permite trabalhar numa boa, então a área extra na horizontal representa mais espaço para apps, como um bate-papo ou um player de música. Usá-la dessa forma parece bastante natural; há espaço o bastante para ver um site em toda a sua extensão enquanto se acessa um app ao lado. A Toshiba tem até alguns apps próprios surpreendentemente úteis, que funciona como as telas grudadas nas laterais do Windows 7 (Aero Snap), mas para três e seis janelas na tela.

À parte a novidade da tela ultra wide, porém, o U845W é bem mediano. O teclado é decente — não é horrível, mas nada especial — e o trackpad é um passo à frente em relação ao Portege, mas ainda assim há espaço para melhorar. Com 2,08 cm de espessura, o que ainda o coloca dentro das especificações de “ultrabook”, ele te faz questionar por que a Intel permite que essa designação seja tão esticada. Ele vem com processador Ivy Bridge, pode ser configurado com até 8 GB, tem três portas USB 3.0 e saídas de som Harman/Kardon.

Lá fora, o U845W estará disponível a partir de 15 de julho, começando em US$ 1.000.