O russo Valery Spiridonov, de 31 anos, opera uma empresa de software educacional na própria casa, na pequena cidade de Vladimir. Ele se ofereceu para o primeiro transplante de cabeça do mundo, que dois médicos querem realizar no início do próximo ano.

Americano que fez transplante duplo de mãos se arrepende, pois elas não funcionam
Cirurgiões fazem primeiro transplante bem sucedido de pênis nos Estados Unidos

Spiridonov sofre de doença de Werdnig-Hoffmann, que o limita a uma cadeira de rodas. A doença é genética e geralmente fatal, “que definha os músculos e mata motoneurônios – células nervosas do cérebro e da medula espinhal que ajudam a mover o corpo.”

O russo vê um transplante de cabeça como sua única esperança. Ele diz à The Atlantic que “remover todas as partes doentes exceto a cabeça seria de grande ajuda no meu caso. Eu não conseguia ver nenhuma outra maneira de me tratar”.

A iniciativa para o procedimento vem do neurocirurgião italiano Dr. Sergio Canavero, que cogita realizar um transplante de cabeça desde 2013. Segundo o Washington Post, ele “se compara com o Dr. Frankenstein, menciona o médico nazista Josef Mengele e escreveu… um guia para seduzir mulheres”.

Em 2015, o Dr. Canavero fez um transplante do tipo em um macaco, que aparentemente permaneceu vivo por 20 horas após a cirurgia – mas isso não foi confirmado.

O Dr. Canavero mostrou um vídeo do transplante de cabeça no macaco para a The Atlantic, que também não pôde verificar quanto tempo ele permaneceu vivo após a cirurgia: o animal “piscou quando alguém cutucou seus olhos com uma pinça… mas fora isso, ele parecia catatônico”.

Há alguns anos, o Dr. Canavero recrutou o cirurgião chinês Xiaoping Ren, que trabalhou na equipe que realizou o primeiro transplante bem-sucedido de mão – ele praticou fazendo cirurgia em um porco, trocando as pernas do animal.

O procedimento seria custoso – entre US$ 10 milhões e US$ 100 milhões – e o Dr. Canavero planeja concorrer a uma bolsa da Fundação MacArthur para financiá-lo. Se não der certo, ele cogita pedir dinheiro a Mark Zuckerberg ou a outro bilionário de tecnologia.

Para Spiridonov receber o transplante de cabeça, a equipe de médicos teria que encontrar um homem com morte cerebral cuja família consentiu com o procedimento. O Dr. Canavero planeja resfriar o corpo e a cabeça, e depois – segundo a CBS News – fazer o seguinte:

Um suporte feito por encomenda seria usado para levar a cabeça de Spiridonov – pendurada por tiras de velcro – até o pescoço do corpo do doador. As duas extremidades da medula espinhal seriam fundidas com um produto químico chamado polietilenoglicol, ou PEG, que promove o crescimento das células que formam a medula espinhal.

Os músculos e sangue do corpo do doador seriam, então, unidos à cabeça de Spiridonov, e ele seria mantido em coma por três a quatro semanas para impedir movimentos enquanto ele curasse. Eletrodos implantados iriam estimular a medula espinhal para reforçar novas ligações nervosas.

Mesmo que o Dr. Canavero tenha testado o procedimento em ratos com sucesso, cientistas e especialistas em ética compreensivelmente não aprovam os planos do médico. Se a cirurgia acontecer, provavelmente não será nos EUA, devido a leis e regulamentos que impedem tais procedimentos não-ortodoxos.

Arthur Caplan, que comanda o departamento de bioética no NYU Langone Medical Center, diz à CBS News que o procedimento do Dr. Canavero “é tanto podre cientificamente como ruim eticamente”. Nita Farahany, diretora de bioética e ciência política na Universidade Duke, se pergunta se alguém pode até mesmo legalmente consentir com um transplante de cabeça. Além disso, se Spiridonov morresse durante o procedimento, Dr. Canavero poderia ser acusado de homicídio.

Há muito a se refletir, e ainda precisamos obter uma prova legítima que o Dr. Canavero é realmente capaz de executar este procedimento. Se ele quer mesmo realizar o transplante no início de 2017, é melhor se apressar.

[The AtlanticCBS NewsWashington Post]

Foto por Jeremy Brooks/Flickr