Poucas coisas me deixam com o estômago mais embrulhado do que transplantes de cabeça, especialmente com as chances do corpo rejeitar o procedimento. Agora, o polêmico neurocirurgião italiano Sergio Canavero afirma que possui um sistema de realidade virtual que irá preparar os pacientes para o choque que será olhar pra baixo e ver o corpo de outra pessoa.

• Polêmico médico de transplantes de cabeça diz ter feito experimentos com sucesso em animais
• As dúvidas por trás do plano para realizar um transplante de cabeça em humanos

A empresa de Chicago Inventum Bioengineering Technologies está por trás do projeto. “Estamos combinando os últimos avanços da realidade virtual para desenvolver o primeiro protocolo do mundo na preparação do paciente para a liberdade corporal após o procedimento de transplante”, disse Alexander Pavlovcik, chefe executivo da Inventum, ao Daily Mail.

Se o procedimento inacreditável do Dr. Sergio Canavero para transplantar uma cabeça humana realmente funcionar, existe ainda uma grande possibilidade do paciente sentir “reações psicológicas inesperadas”. O propósito do sistema na realidade virtual é acostumar o paciente com o sentimento de estar em novo corpo e poder caminhar. O paciente irá passar meses em treinamento antes que a cirurgia seja realidade. Assim como técnicas cirúrgicas de Canavero, os detalhes desta experiência em VR não estão muito claras. Aqui está um vídeo promocional igualmente misterioso e sinistro:

Valery Spiridonov, que sofre de atrofia muscular espinhal, se ofereceu como voluntário para ser o primeiro a receber o transplante de cabeça. Atualmente, Spiridonov comanda uma empresa de software educacional na Rússia. “Como cientista da computação, estou extremamente confiante que essa é uma tecnologia essencial para o projeto Heaven”, diz ele. “Heaven” (paraíso, em inglês) é o nome perturbador desta iniciativa – é um acrônimo para Head Anastomosis Venture, ou Projeto de Anastomose de Cabeça, em tradução livre.

Até agora, o Dr. Canavero afirma ter tido sucesso com diversos animais, incluindo um cachorro que passou a andar novamente depois de ter sua medula espinhal recolocada.

A comunidade médica tem se mostrado cética em relação ao projeto controverso. Além disso, Canavero compartilhou pouquíssimas informações com seus colegas de profissão. O primeiro procedimento deve acontecer em 2017, na China.

Quando Canavero mostrou ao repórter Sam Kean, da revista The Atlantic, um vídeo de um macaco tendo sua cabeça transplantada “com sucesso”, Kean escreveu que o animal “piscou quando alguém cutucou seus olhos com uma pinça … mas, fora isso, ele parecia catatônico”.

Michael Sarr, editor chefe da revista científica The American Journal of Surgery, disse ao iNews que ele acha que o procedimento é possível, mas se mantém cético. “Quando você transplanta a cabeça para um corpo, você conecta a medula espinhal, ossos, músculos, esôfago, artérias, veias e muitos outros nervos ao longo do tubo digestivo. Cada um tem suas próprias complicações e não são insignificantes. As complicações são ainda maiores juntas.”

[Daily Mail]