A União Europeia anunciou, nesta quarta-feira (18), uma multa recorde contra o Google de US$ 5,05 bilhões (cerca de R$ 19 bilhões) pela dominância do sistema Android — empresa afirmou que recorreria por achar a decisão injusta. E como não poderia deixar de acontecer, o presidente dos EUA, Donald Trump, pistolou no Twitter sobre o assunto.

União Europeia impõe multa recorde de R$ 19,2 bilhões ao Google por abusar de domínio do Android

“Eu avisei! A UE acaba de impor uma multa de US$ 5,05 bilhões a uma de nossas grandes companhias, o Google. Eles realmente se aproveitaram dos EUA, mas não por muito tempo”, escreveu Trump.

Os reguladores europeus aplicaram a punição pois acreditam que o Google: exige que fabricantes instalem um app de busca e o Chrome, paga para que fabricantes e operadoras móveis instalem a busca do Google e restringe o desenvolvimento de novas versões de código aberto do Android. Em sua defesa, o Google diz que o sistema Android criou mais escolha para todos, além de um ecossistema vibrante, inovação rápida e preços mais baixos.

Tirando a questão tecnológica, a provável razão pela qual Trump entrou nesse debate tem relação com problemas maiores. No caso, uma guerra fiscal na qual o presidente dos EUA disse que iria aplicar taxas de até 25% para carros vindos da União Europeia. Em retaliação, a UE informou que caso a medida passe a vigorar, o bloco econômico vai passar a incluir taxas de 20% em alguns itens fabricados nos EUA.

Recentemente, Trump anunciou taxas para o alumínio e o aço produzidos no Brasil, porém prorrogou o início por um curto período de tempo. A longo prazo, isso pode afetar consideravelmente a siderurgia brasileira, pois os Estados Unidos são um dos maiores importadores do país.

Voltando à tecnologia, as discussões entre União Europeia e o Google devem ser longas. Enquanto isso, só nos resta esperar se a gigante das buscas vai conseguir eliminar/reduzir a multa ou se a companhia, por causa da multa, irá alterar algo no Android — como cobrar pelo uso do sistema — para tentar compensar as perdas da punição.

[Agência Brasil]

Imagem do topo: Getty