À medida que o surto de coronavírus continua, seus efeitos estão sendo sentidos em todo o mundo. No México, a Uber se sentiu obrigada a agir quando soube que seus motoristas haviam entrado em contato com uma pessoa suspeita de ter coronavírus. Consequentemente, a empresa desativou temporariamente as contas de 240 usuários que também viajaram com os condutores na Cidade do México.

A Uber informou seus usuários sobre o incidente em um comunicado postado no Twitter neste fim de semana. No comunicado, a empresa disse que recebeu informações sobre um condutor suspeito de estar infectado com coronavírus do Departamento de Saúde da Cidade do México. A Uber passou a fornecer ao departamento as informações de contato de dois motoristas que possivelmente estiveram em contato com esse usuário.

No entanto, a Uber não parou por aí. A empresa explica em comunicado que desativou temporariamente as contas de 240 usuários que também viajaram com os dois motoristas e informou que eles poderiam entrar em contato com a UIES (Unidade de Saúde e Inteligência Epidemiológica) do México para obter mais informações ou relatar sintomas.

Em uma captura de tela de uma mensagem que a Uber supostamente enviou aos usuários afetados no México, a empresa diz o seguinte: “Para sua segurança e a segurança de outras pessoas, sua conta não poderá ser usada para solicitar viagens no momento”.

Atualmente, o México não tem nenhum caso confirmado de coronavírus, de acordo com o relatório de 2 de fevereiro da OMS (Organização Mundial da Saúde). Há mais de 14 mil casos confirmados globalmente em 23 países. No domingo, foram contabilizadas 304 mortes, com apenas uma delas sendo fora da China.

Em suas recomendações e conselhos ao público, a OMS afirma que os indivíduos devem evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas, praticar lavagem frequente das mãos (especialmente após contato direto com pessoas doentes ou seu ambiente) e evitar contato desprotegido com fazendas, animais selvagens, entre outros.

Ainda não sabemos muito sobre o coronavírus, que se originou em Wuhan, na China. Especialistas, por exemplo, tentam entender com profundidade sua letalidade, quais são as populações mais vulneráveis e a forma mais comum de transmissão. No entanto, o New York Times reporta que especialistas em doenças infecciosas acreditam que o coronavírus provavelmente se tornará uma pandemia mundial, que é essencialmente uma epidemia em andamento, ou um aumento repentino no número de casos de uma doença acima dos níveis normais esperados.

Empresas de vários setores têm discutido como lidar com o coronavírus. Muitas, como a Uber, tomaram medidas preventivas, dentro de fora da China, para tentar conter o surto e sua propagação. A Apple anunciou no início deste fim de semana que estava fechando suas lojas e escritórios na China continental e limitando a viagem de funcionários à China para assuntos “críticos para os negócios”. Enquanto isso, a Disney fechou seus parques temáticos em Xangai e Hong Kong como medida preventiva.