A montadora sueca Volvo iniciou os testes com o primeiro caminhão articulado movido a hidrogênio do mundo. O protótipo – batizado Volvo HX04 – faz parte dos planos da empresa de criar veículos sustentáveis e livres de emissões de carbono.

O veículo de seis rodas utiliza células de combustível que funcionam combinando hidrogênio com oxigênio. A reação química resultante gera eletricidade que movimenta o caminhão — além do calor, que pode ser usado para aquecimento da cabine. A única coisa que sai pelo escapamento é vapor de água.

“A rigor, uma célula de combustível funciona como uma bateria, exceto que ela gera sua própria eletricidade a partir do hidrogênio a bordo, quando é necessário, em vez de ser carregada por uma fonte externa”, disse a Volvo em comunicado.

Geralmente, esses tipos de caminhões são usados em construções civis, com a parte traseira apresentando articulações que auxiliam no processo de carga e descarga de materiais.

Hidrogênio verde ainda é um gargalo

Por mais que pareça algo inovador, células de combustível movidas a hidrogênio já são utilizadas há décadas pela NASA. A missão Apollo 11 – que desembarcou os primeiros humanos na Lua, em 1969 –, já usava esses tipos de células para gerar energia para a espaçonave.

A tecnologia só não é popular no dia a dia, pois ainda não se encontrou uma maneira barata e, principalmente, sustentável, de gerar hidrogênio. Para que o combustível seja de fato ecológico, o eletrolisador – usado para fazer o hidrogênio a partir do processo da eletrólise da água – precisa ser movido por fontes de energia renovável, como a eólica ou solar, e não a combustíveis fósseis.

No caso do HX04, são necessários 12 kg de hidrogênio para gerar aproximadamente quatro horas de operação do caminhão articulado. Durante o desenvolvimento do protótipo, a empresa sueca fechou uma parceria com a Shell para fornecer o combustível, a partir da instalação de uma estação de reabastecimento de hidrogênio na pista de testes da Volvo, em Braås, na Suécia.

A própria montadora de veículos salientou que a infraestrutura para gerar o hidrogênio ainda está em desenvolvimento, sendo um aspecto importante a ser resolvido no projeto.

A Volvo afirma ainda que, embora o caminhão articulado ainda não esteja disponível no mercado, os conceitos testados nos laboratórios de testes de células de combustível a hidrogênio poderão ser utilizados em veículos futuros da marca.