Embora estejamos em meio ao festival de desconto de meio de ano da Amazon e Jeff Bezos esteja curtindo sua coroação como o homem mais rico da história moderna, os concorrentes Walmart e Microsoft anunciaram uma nova parceria de cinco anos de duração, na esperança de derrubar a gigante das entregas online, pelo menos em alguns patamares.

• Jeff Bezos é a pessoa mais rica da história moderna, com uma fortuna de US$ 150 bilhões

Segundo o Wall Street Journal, o foco do acordo será no uso pelo Walmart da tecnologia de nuvem Azure, da Microsoft, que será adaptada para melhorar as capacidades de prognósticos, compras e compartilhamento de dados do Walmart. Com a ajuda da empresa de tecnologia, não apenas o Walmart está tentando comer um pedaço da enorme fatia de mercado de comércio eletrônico nos EUA que a Amazon tem, de atualmente cerca de 49%, como também está privando a Amazon de um enorme cliente em potencial para sua plataforma de nuvem AWS.

Para a Microsoft, a parceria parece uma jogada óbvia, com o CEO Satya Nadella dizendo ao WSJ que a rivalidade que as duas empresas têm com a Amazon foi “central para esse acordo”.

O Walmart vinha desenvolvendo sua própria divisão de computação em nuvem nos últimos anos, usando algumas tecnologias da Microsoft. Ao integrar seus dados mais profundamente com o Azure, a empresa espera que novos algoritmos de aprendizado de máquina e inteligência artificial facilitem a distribuição e o corte de custos à medida que a companhia continua sua expansão de ofertas online. Agora, elas incluem busca de compras de mercado, instalação de tecnologias de casa inteligente, entre outras coisas, além das compras online tradicionais.

O interessante é que um aspecto que o acordo da Microsoft com o Walmart não parece tocar é o desenvolvimento de novas lojas sem caixas. Apenas pouco mais de um mês atrás, reportagens surgiram alegando que as duas empresas já estariam trabalhando em sua própria versão conjunta da Amazon Go, loja de conveniência da Amazon sem caixas que abriu ao público o início deste ano, em janeiro.

Porém, mesmo com a enorme presença do Walmart nos EUA na forma de lojas físicas, quando se trata de evolução do varejo, está bem claro que o Walmart precisará de uma ajuda extra para incorporar alguns dos recursos tecnológicos encontrados na Amazon Go, o que provavelmente prepara o terreno para ainda mais colaborações entre Walmart e Microsoft no futuro.

Imagem do topo: Walmart