Em uma atualização de seus Termos de Serviço na quarta-feira (18), o YouTube anunciou que agora apresentará anúncios antes de vídeos criados por usuários que ainda não são membros de seu Programa de Parceria, mas não compartilhará a nova receita que recebe com esses usuários.

“O YouTube tem o direito de monetizar todo o conteúdo da plataforma e os anúncios podem aparecer em vídeos de canais que não fazem parte do Programa de Parcerias do YouTube”, diz um e-mail na quarta-feira à noite da plataforma.

O Programa de Parcerias do YouTube permite que usuários com um grande número de seguidores – normalmente mais de 1.000 pessoas – recebam uma parte da receita gerada por anúncios exibidos antes de seus vídeos. O dinheiro pode ser uma bênção para os criadores que tentam se sustentar com o conteúdo que criam especificamente para a plataforma, e a decisão de anunciar apenas em vídeos de criadores com mais seguidores teve a consequência indesejada de ajudar a garantir que os anúncios só acabassem em conteúdo que os anunciantes estariam mais propensos a aprovar.

Mas a decisão de não pagar uma porcentagem da receita de publicidade aos criadores com menos seguidores é uma captura de dinheiro descarada do YouTube, que permite à plataforma considerar os criadores pequenos demais para merecer um pagamento, enquanto simultaneamente enche seus próprios cofres.

A decisão gerou uma reação imediata na comunidade de criadores do YouTube, com alguns usuários proeminentes acessando o Twitter para chamar a ação de “exploradora” e “predatória”.

Embora o YouTube não tenha confirmado imediatamente o número de vídeos adicionais em que planeja anunciar, a plataforma disse que os anúncios não se limitarão a canais de um determinado tamanho e confirmou que continuará monitorando o impacto da mudança de política nos criadores daqui para frente.