Depois de abocanhar o Facebook e Instagram, o apocalipse do varejo pode ganhar em breve mais uma plataforma para chamar de sua: o YouTube. O Google confirmou à Bloomberg que promete usar o site de vídeos como um marketplace para a venda de produtos, bem semelhante ao que o Instagram está fazendo no IGTV e no recurso Reels, que ganharam uma loja com checkout direto – ou seja, toda a compra acontece direto na rede social.

O Gizmodo não conseguiu entrar em contato imediatamente com o YouTube para comentar o assunto, e não está claro como será essa função de compra dentro da plataforma de vídeos. Talvez ao abrir um comercial de xampus você consiga comprar o produto em exibição direto pelo site? Ou ainda, uma etiqueta “compre agora” abaixo dos vídeos traga um menu de produtos, como as lojas de anúncios já fazem atualmente no YouTube?

Independentemente do modelo, o Google disse que já está testando algumas versões dessas ferramentas em canais selecionados. Vlogs de influenciadores parecem ser o primeiro passo na testagem dessa novidade. O futuro dos gastos com publicidade, especialmente em varejo e viagens, é incerto, mas o dinheiro está fluindo, e o YouTube parece um lugar seguro para o Google investir.

Apesar da queda sem precedentes na receita de trimestre a trimestre da Alphabet neste ano, a receita de anúncios do YouTube foi uma das poucas que aumentou. Conectar um carrinho de compras a um vlogger de beleza, por exemplo, também pode atrair marcas, que normalmente utilizam o marketing de influência para o reconhecimento da marca mais do que compras diretas.

Segundo muitos relatos, gigantes da tecnologia estão olhando para uma possível corrida do ouro no comércio eletrônico. Em abril, o Deutsche Bank estimou que o recurso de “checkout” do Instagram poderia render US$ 10 bilhões para a empresa em 2021. Isso pode explicar por que o Walmart, que há muito tempo ficou para trás em termos de tecnologia da Amazon, queria um pedaço do app TikTok para potencialmente superar seu maior concorrente em pelo menos uma frente de comércio eletrônico.

Se o Google também quiser um pedaço desse segmento, pode ter que eliminar alguns defeitos, como interfaces desajeitadas (algo que vai na contramão do TikTok), e precisará fazer uma rodada muito rápida de atualização sobre armazenamento e logística – lições aparentemente não aprendidas com anos de investimentos não devolvidos no Google Shopping.