Se você procurar vídeos sobre mudanças climáticas no YouTube, poderá encontrar um do PragerU chamado “O que eles não nos disseram sobre mudanças climáticas”. No vídeo, um consultor de energia canadense chamado Patrick Moore afirma que o mundo não ficou significativamente mais quente no século 21 (o que não é verdade) e que não há uma forte correlação entre as temperaturas globais e os níveis de dióxido de carbono (também obviamente falso). Moore, um infame negador de mudanças climáticas, é apresentado como cofundador do Greenpeace, o que também não é verdade!

No entanto, o YouTube está promovendo esse vídeo com seu algoritmo de recomendação e exibindo anúncios do Greenpeace. E embora esse seja um exemplo flagrante de desinformação sendo divulgada, dificilmente é a única negação climática que o YouTube está promovendo e lucrando com isso.

Um novo estudo da Avaaz, organização sem fins lucrativos de direitos humanos, descobriu que o YouTube tem “promovido ativamente” vídeos que disseminam ideias de negação das mudanças climáticas e colocado anúncios neles. O grupo pesquisou os termos “mudança climática”, “aquecimento global” e “manipulação climática”, concentrando-se especificamente no conteúdo sugerido pelo YouTube em sua barra de sugestões e no recurso “Próximo”. Ao todo, foram encontrados 5.537 vídeos que negam as mudanças climáticas. Juntos, os vídeos tiveram 21,1 milhões de visualizações.

Nesses vídeos, a Avaaz encontrou anúncios de 108 marcas, incluindo grandes como Samsung e L’Oréal. Um em cada cinco desses anúncios era de marcas ambientais ou “éticas”, como o Greenpeace, o World Wildlife Fund e o Save the Children. Isso significa que o YouTube está lucrando com a negação das mudanças climáticas e, por meio de seu programa de parceria com criadores, garantindo que os negadores também recebam parte do lucro.

Não é de se surpreender que uma empresa de US$ 160 bilhões esteja ganhando dinheiro de maneiras perversas. Afinal, não há realmente nenhuma maneira de ganhar tanto dinheiro de forma ética. Mas no atual momento da crise climática, essa situação é especialmente assustadora.

Com a baixa confiança na mídia de massa (o que é totalmente justo), mais pessoas estão recorrendo a recursos como o YouTube para obter suas informações. De acordo com uma pesquisa do Pew Research divulgada no mês passado, 28% dos adultos nos EUA obtêm suas notícias a partir da plataforma. E embora a maioria dos usuários do YouTube tenha dito que, pelo menos ocasionalmente, se depara com desinformação óbvia no site, algumas das desinformações que a Avaaz encontrou podem não ser tão  óbvias.

Esse vídeo do PragerU é um exemplo. Ele é apresentado por um velho, branco, vestindo um blazer. Tem fontes simples e gráficos simples. Se você ainda não sabe que o PragerU é na verdade uma fonte monstruosa de desinformação de direita, você pode facilmente confundi-lo com algo de uma universidade real e confiável (é isso que o “U” significa, apesar de o PragerU não ser uma universidade credenciada ou oferecer qualquer tipo de aula). Eu entenderia se alguém não percebesse o quão errado os vídeos são.

Essa está longe de ser a primeira vez que o YouTube tem sido criticado por deixar desinformação se espalhar por sua plataforma. No ano passado, um estudo descobriu que menos da metade dos vídeos encontrados pesquisando termos relacionados à ciência climática e engenharia geográfica representavam o consenso científico.

Há um ano, o YouTube disse que iria parar de promover conteúdos “duvidosos”. Pouco depois, eles disseram em um documento que vão “começar a evitar que os nossos sistemas ofereçam conteúdo que possa desinformar os usuários de forma prejudicial, particularmente em assuntos que dependem de veracidade, como ciência, medicina, notícias, ou eventos históricos”. O estudo da Avaaz mostra que, se eles realmente querem aderir a isso, têm muito mais trabalho a fazer nessa frente. Porque mais uma vez, apesar do que esses vídeos promovidos dizem, o mundo está ficando muito mais quente, e há consenso científico de que isso é por causa de gases de efeito estufa.

O Gizmodo procurou o YouTube para comentar, mas a empresa não estava disponível para responder imediatamente. Em uma declaração pública, a companhia disse que os anunciantes podem “optar por excluir conteúdo que não se alinha com sua marca” e que “investiram significativamente na redução de recomendações de conteúdo duvidoso e desinformação prejudicial, além de promover vozes de autoridades no YouTube”.

Isso pode ser um pouco complicado, porque não são apenas os vídeos periféricos do YouTube que sustentam visualizações incorretas sobre as mudanças climáticas. Um dos vídeos destacados no estudo da Avaaz é da Fox News, que inclui “desinformação prejudicial”. Mas a Fox é considerada mídia convencional, não “conteúdo duvidoso”, apesar de várias histórias e vídeos questionáveis.

Mas a Avaaz não está pedindo ao YouTube para se livrar de todos os vídeos que negam as mudanças climáticas em sua plataforma. Eles estão apenas pedindo para priorizar vídeos que não contêm muitas mentiras sobre a maior ameaça que a humanidade já enfrentou. É o mínimo que o YouTube pode fazer, mesmo que custe à empresa algum dinheiro. Tenho certeza que o YouTube pode pagar.