Quase que ao mesmo tempo em que a Intel havia anunciado sua nova fera de 28 núcleos, a AMD subiu ao palco na conferência Computex, em Taiwan, e revelou a mais nova atualização à sua CPU Threadripper. E ela vem com mais núcleos do que a da concorrente: 32, para ser mais exato. Isso é muito mais núcleos do que você precisará para tuitar, postar no Facebook e preencher planilhas, mas não se trata de processamento, e, sim, de potência.

• A Qualcomm quer entrar de vez no mercado de laptops com seu novo chip Snapdragon 850
• Fabricantes de processadores confirmam nova falha que afeta quase todas as CPUs do mercado

A AMD tem estado em uma corrida para ganhar vantagem sobre a Intel, e seu mais recente processador de ponta pode ser suficiente por enquanto. Lá em 2012, a AMD passou por uma série de decisões erradas que a deixaram atrás da Intel no mercado de CPUs, fazendo com que analistas especulassem que uma venda de controle acionário estaria a caminho. Mas a AMD se organizou com os seus marcantes processadores de preço acessível Ryzen, rodando em sua microarquitetura Zen. A próxima obrigação da empresa era oferecer uma concorrência forte à Intel.

Essa concorrência começou no ano passado, quando a Intel lançou um processador de 18 núcleos por US$ 2 mil; a AMD rapidamente acompanhou a rival, com o Threadripper de 16 núcleos, por apenas US$ 999. Neste ano, a AMD chegou e venceu a guerra dos núcleos. Ela também contra-atacou a campanha “Extreme!” da Intel com uma campanha exagerada chamada “Heavy Metal” (o vídeo está abaixo).

O Threadripper de segunda geração usará uma arquitetura Zen+ atualizada de 12 nanômetros e trará até quatro matrizes Ryzen de oito núcleos. Além de sua capacidade de lidar com 64 threads de processamento ao mesmo tempo, a AMD alega que a arquitetura refinada oferecerá um melhor impulso e caches mais rápidos do que seu antecessor.

Depois da apresentação, a AMD compartilhou este gráfico de comparação abaixo:

Como o primeiro Threadripper incluía duas matrizes simuladas, a AMD diz que o modelo mais recente deve ser compatível com as placas-mãe X399 atuais. Mas o AnandTech falou com alguns fornecedores de placas-mãe na Computex, que alertaram que algumas placas-mãe X399 poderiam ter problemas com abastecimento de energia e que uma nova placa-mãe poderia ser necessária para o overclocking.  Algumas placas-mães novas que seriam capazes de lidar com isso estavam sendo demonstradas durante a conferência.

A AMD espera lançar o novo modelo de Threadripper no terceiro trimestre deste ano. O processador da Intel de 28 núcleos, ainda sem nome, estaria a caminho para chegar no quatro trimestre deste ano, então parece que a AMD chega antes ao mercado. A Intel ainda poderia ter a vantagem com o seu processador rodando a 5 GHz, mas ainda não temos nenhum benchmark para comparar.

Por que você precisa disso? Provavelmente, não precisa. Mas a Intel e a AMD precisam, porque uma delas precisa sair da Computex com aquela gloriosa satisfação de saber que venceram a batalha de especificações deste ano. Esses chips de ponta, inevitavelmente, levam a efeitos de gotejamento (trickle-down) para CPUs futuras que sejam mais amigáveis ao consumidor, e isso é ótimo. Hoje, se trata de se sair melhor que o concorrente, e a AMD está dando a volta olímpica enquanto desafia de maneira sólida a dominância desktop da Intel.

Quanto a custos, se o passado servir de algum indício, parece provável que a AMD será a opção mais acessível, e a Intel ainda tem seus tão esperados processadores Cannon Lake, de 10 nanômetros, a caminho. Entretanto, a última disputa entre as duas empresas traz como vencedores todos nós, porque esse pessoal está forçando um ao outro a ser melhor de uma maneira que não víamos em anos.

[AMD via Engadget]

Imagem do topo: AMD