O 5G deu mais um passo no Brasil com a aprovação das frequências que servirão para o funcionamento da tecnologia. Na quinta-feira (23), a Anatel decidiu sobre a destinação e o regulamento de condições de uso das faixas de radiofrequências de 2,3 GHz e de 3,5 GHz.

A agência diz que a a faixa de 2.300 a 2.400 MHz é importante para estarmos alinhados aos sistemas mundiais do tipo IMT (sigla em inglês para Telecomunicações Móveis Internacionais). Já a faixa de 3.300 a 3.600 MHz é considerada a porta de entrada para as redes de altíssima velocidade do 5G.

O segundo trecho, inclusive, ganhou 100 MHz a mais do que a proposta inicial. A mudança foi realizada a partir da contribuição recebida na consulta pública realizada pela Anatel.

Será preciso garantir, no entanto, que a ocupação da faixa de 3,5 GHz não prejudique o funcionamento dos receptores de sinal de TV aberta via parabólica. Ainda que em grandes centros a maioria das pessoas use TV a cabo ou sinal de TV digital, a agência estima que pelo menos 20 milhões de domicílios assiste à TV aberta via sinal de parabólica.

A agência diz ter levado em consideração blocos, arranjos, distribuição geográfica e contrapartidas a serem exigidas dos vencedores da futura licitação, até possíveis medidas preventivas e corretivas para mitigar eventuais interferências prejudiciais entre os sistemas de radiocomunicação.

O próximo passo é determinar um relator para o edital que será aberto para o leilão das redes no ano que vem. Em seguida, o edital irá para uma consulta pública.

[Anatel]