Anunciado no final de abril, o novo iPad Pro está oficialmente disponível para compra no Brasil. O dispositivo da Apple vem com processador M1 — o mesmo usado nas versões mais recentes de MacBooks, Mac Mini e iMacs —, tela de mini-LED Retina XDR no modelo maior e câmera frontal aprimorada. Além do tablet, a companhia também deu início às vendas das AirTags. Os preços começam em R$ 10.799 e R$ 369, respectivamente.

Embora as vendas dos novos produtos tenham sido liberadas, a disponibilidade não é imediata. Ao fazer uma simulação no site da Apple, a entrega das AirTags varia de três a quatro semanas, enquanto que a previsão para o iPad Pro de 12,9 polegadas é um pouco mais demorada, entre quatro a seis semanas. Isso significa que clientes que fizerem a compra hoje (24) só vão recebê-la a partir de meados de junho.

Por enquanto, sem previsão de quando a nova Apple TV 4K e os iMacs coloridos, anunciados no mesmo evento em abril, serão lançados no Brasil. Contudo, todos já aparecem listados no site brasileiro da Apple.

iPad Pro traz chip M1 e tela de mini-LED

Disponível nos tamanhos de 11 e 12,9 polegadas, o iPad Pro ganhou implementos significativos em comparação com os modelos do ano passado. Começando pelo hardware: o tablet agora possui o chip M1, que já equipa a grande maioria de Macs e MacBooks. Segundo a Apple, o dispositivo é 50% mais rápido e apresenta uma performance 40% superior do que a geração anterior com o processador A12Z Bionic.

O chip M1 também possibilitou aumentar as capacidades de armazenamento do novo iPad Pro, que tem opções de 128 GB, 256 GB, 512 GB, 1 TB e 2 TB.

Imagem: Apple/Divulgação

Entre as novidades compartilhadas entre os dois tamanhos ainda estão suporte para 5G, câmera traseira dupla com sensor LiDAR para aplicações em realidade aumentada e uma câmera frontal ultra-angular de 12 MP que ganhou uma função chamada “Center Stage”, para enquadrar seu rosto e deixar você sempre ao centro da imagem em fotos e chamadas de vídeo mesmo que você esteja em movimento.

Seguindo a tendência dos iPhones, o iPad Pro maior agora é ligeiramente melhor que o modelo de 11 polegadas. Enquanto este tem uma tela Retina (a mesma da geração passada), o Pro de 12,9 polegadas vem com um painel Liquid Retina XDR com tecnologia mini-LED, garantindo maior contraste e gama de cores. O mini-LED é composto por 10 mil luzes, contra apenas 72 LEDs nos demais iPads, podendo variar o brilho máximo entre 1.000 nits (padrão) e 1.600 nits.

O iPad Pro de 11 polegadas custa a partir de R$ 10.799 (Wi-Fi) e R$ 12.799 (Wi-Fi + Cellular). Já o iPad Pro de 12,9 polegadas sai a partir de R$ 14.799 (Wi-Fi) e R$ 16.799 (Wi-Fi + Cellular). As versões mais caras, por sua vez, saem por R$ 26 mil, no tamanho menor, e R$ 30 mil, no maior, ambas com Wi-Fi + Celullar e 2 TB de armazenamento.

Assine a newsletter do Gizmodo

AirTags te ajudam a encontrar objetos perdidos

Vinculadas ao aplicativo “Buscar” (“Find My”) no iOS, as AirTags são peças circulares que pode ser colocadas em objetos que você por um acaso venha a perder. Cada tag vem equipada com alto-falante, acelerômetro e Bluetooth LE embutidos, além de uma bateria que precisa ser trocada quando perder totalmente a carga após um ano, que é o prazo de autonomia estipulado pela Apple.

De acordo com a empresa, as AirTags funcionam com base no processador U1 e não guardam nenhuma informação sensível do usuário. A comunicação entre a tag e o app Buscar acontece por meio de criptografia de ponta-a-ponta, o que significa que não é necessário conectá-la a redes móveis ou Wi-Fi.

No Brasil, as AirTags são vendidas em duas versões: uma unidade custa R$ 369. Já o pacote com quatro tags sai por R$ 1.249.

[MacMagazine 1, 2]