Como previsto, tivemos novidades sobre os novos iPhones em evento realizado nesta terça-feira (10) pela Apple em Cupertino, Califórnia (EUA). Ao todo, são três novos modelos: iPhone 11, iPhone 11 Pro e iPhone 11 Pro Max.

O iPhone 11 tem preço sugerido de US$ 699 (versão de 64 GB). Já o iPhone Pro começa em US$ 999 (versão de 64 GB), enquanto o iPhone Pro Max inicia em US$ 1.099 (versão de 64 GB).

A pré-venda dos aparelhos nesta sexta-feira (13) e eles estarão disponíveis nas lojas dos Estados Unidos em 20 de setembro. Ainda não há previsão para a chegada no mercado brasileiro.

iPhone 11, o novo iPhone XR

Este modelo lembra bastante o iPhone XR do ano passado. Digo isso, pois estará disponível em várias cores — como lilás, amarelo, preto, entre outras — e pela tela LCD de 6,1 polegadas True Tone. Aliás, diferente de outras marcas, a Apple continua firme e forte com o notch na parte de cima da tela.

Preço do iPhone 11; nos EUA, começa em US$ 699

Sobre as câmeras, a Apple passou um bom tempo falando delas. São três ao todo (uma na frente e duas atrás), todas com 12 MP. Na traseira, um sensor é convencional e outra ultra-wide, então será possível capturar mais itens numa cena sem precisar sair do lugar.

O modo retrato recebeu melhorias, permitindo agora tirar fotos de itens que não sejam necessariamente rostos humanos. Então, ele identificará a cena e tirará uma foto mais bacana do seu cachorro, gato ou mesmo outros objetos.

Como é praxe em aparelhos topo de linha, a Apple também introduziu um modo noturno para captura de fotos. Estou curioso para ver como ele se compara com a de outras empresas que já estão na segunda versão da funcionalidade em seus smartphones.

Exemplo de foto tirada no modo noturno com o iPhone 11Exemplo de foto tirada com o modo noturno da Apple

Quanto a vídeos feitos com os sensores traseiros, o usuário conseguirá alternar entre os dois sem maiores problemas. Aliás, será possível fazer gravações em 4K a 60 fps e ainda contar com um sistema de estabilização de imagem.

Na câmera frontal, além de melhor resolução, os usuários poderão usar o modo slow-motion, que antes era um recurso disponível apenas nos sensores da traseira. Olha só que legal (ou não): você vai poder tirar slowfies, vídeos em selfie feitos em slow motion.

Frente do iPhone 11

A Apple também quis melhorar o sistema de som no iPhone 11. A companhia implementou o que eles chamam de som espacial que, por sua vez, proporciona uma experiência imersiva de som, combinando os dois alto-falantes do smartphone.

Quanto ao processador, o iPhone 11 vem com A13 Bionic que, segundo a empresa, tem a CPU e a GPU mais potente do mercado, superando os principais concorrentes. Só faltou a empresa dar mais detalhes qual benchmark usou — no caso, eles só mostraram alguns gráficos exibindo que o novo iPhone é melhor que os principais concorrentes nas duas áreas.

Comparativo GPU do iPhone 11 com outros telefones

E a bateria? Bem a empresa não costuma falar de mAh (miliampere hora). Só disseram que o novo iPhone 11 dura uma hora a mais que o iPhone XR. Ou seja, o novo aparelho deve ter um autonomia de até 16 horas.

iPhone 11 Pro e iPhone Pro Max, os novos iPhone Xs e iPhone Xs Max

iPhone 11 Pro

Se o iPhone 11 é o sucessor do iPhone XR, o iPhone 11 Pro é o iPhone XS desse ano, e o verdadeiro iPhone do evento. Ele continua a tradição de ter dois tamanhos inaugurada com o iPhone 6, com o iPhone 6 Plus, e rebatizada no iPhone XS, com o iPhone XS Max. Os tamanhos são os mesmos do antecessor: tela de 5,8 polegadas para o iPhone 11 Pro, 6,5 polegadas para o iPhone 11 Pro Max.

A tela, aliás, merece um detalhamento. Ela é chamada de Super Retina XDR. É um painel OLED com 458 pixels por polegada, brilho máximo de 1200 nits e gama de cor DCI P3. Ela também contará com toque háptico — provavelmente algum modo de resposta vibratória para substituir o 3D Touch — e proteção oleofóbica — será que finalmente temos uma tela que não fica toda suja?

O chip é o mesmo A13 Bionic do iPhone 11. A Apple mostrou alguns gráficos (sem explicá-los) que prometem mais capacidade de processamento de dados e gráficos. O processador conta com motor neural para tarefas de inteligência artificial — processamento de fala, classificação de fotos e animação de personagens, por exemplo, serão todos feitos no próprio aparelho.

Diferentes cores do iPhone 11 Pro

Além disso, a Apple diz que o processador foi feito para usar menos energia que a geração anterior. Isso se reflete nas promessas de duração de bateria: o iPhone 11 Pro promete durar quatro horas a mais longe da tomada do que o iPhone XS, enquanto o iPhone 11 Pro Max deve aguentar cinco horas a mais do que o iPhone XS Max. Além disso, os novos iPhones Pro finalmente virão com um carregador rápido — a Apple não falou muito sobre isso, então não sabemos potência ou velocidade de recarga.

O iPhone 11 Pro também vem com um bom arsenal de câmeras. São três na traseira: uma principal, uma zoom de 2x e uma ultrawide com ângulo de visão de 120°. Na interface, dá para alternar entre as três sem muita complicação. A lentre ultrawide promete colocar quatro vezes mais informação na imagem.

Modo de câmera do iPhone 11 Pro

Se você curte usar o iPhone para fazer gravações, um vídeo mostrou que as três câmeras da traseira e a câmera frontal podem funcionar ao mesmo tempo, o que daria para produtores de vídeo mais possibilidades de filmagem.

Além de tudo isso, o iPhone 11 Pro vem com Wi-Fi 6 e 4G melhorado. O Face ID também promete funcionar de maneira mais rápida e em mais ângulos.

(Colaborou Giovanni Santa Rosa)