Um evento incomum de mortalidade de baleias cinzentas na costa do México é perturbadoramente persistente, de acordo com um estudo publicado esta semana na Marine Ecology Progress Series. Ele começou em 2019, e o número de mortes de baleias cinzentas está atualmente em 384, embora a quantidade real possa ser maior.

Eventos de mortalidade incomuns descrevem a morte repentina de mamíferos marinhos; eles acontecem com muita frequência e estão comumente relacionados a causas humanas, de linhas de pesca descartadas a derramamentos de óleo. O último evento de mortalidade de baleias cinzentas ocorreu na virada do milênio, quando mais de 600 mortes foram registradas ao longo da costa do Pacífico dos Estados Unidos. A causa do recente evento é desconhecida, embora o artigo sugira que a escassez de alimentos no Mar de Bering, onde as baleias se alimentam sazonalmente, possa ser responsável.

Em 2017, a equipe de pesquisa começou a analisar quanta energia as baleias fêmeas em lactação transferiam para seus filhotes. Ao longo dos três anos seguintes de observações, em que foram utilizados drones para medir o tamanho das baleias, a equipe descobriu que seus objetos de estudo estavam ficando cada vez mais magros. No que diz respeito às baleias, isso significa que suas reservas de energia – principalmente armazenadas em sua gordura leve – estavam se tornando mais escassas a cada migração.

“O que se destacou neste caso foi que tínhamos jovens e adultos emaciados”, disse Fredrik Christiansen, ecologista marinho da Universidade Aarhus, na Dinamarca, e principal autor do recente artigo, por telefone. “Isso não é normal.”

Christiansen disse que as baleias fêmeas em lactação se esforçam regularmente em termos de consumo energético, pois carregam energia suficiente para amamentar um filhote durante uma viagem de ida e volta por todo o litoral do Pacífico. Se os jovens e adultos chegarem ao seu ponto final migratório com menos reservas de energia (leia-se: gordura) do que o normal, isso significa uma previsão nada otimista para a sua viagem de regresso. Mas as mães baleias também não têm uma vida fácil; os pesquisadores notaram uma queda no número de pares de mães e filhotes, sugerindo que as mães precisavam de mais tempo para acumular as reservas de gordura necessárias para procriar novamente.

Uma baleia cinzenta morta em uma lagoa da Baja Califórnia em 2019. Foto: Fabian Rodríguez-González

As baleias cinzentas têm longas migrações; viajando cerca de 19.312 quilômetros —a mais longa de todos os mamíferos. Suas viagens as levam das águas geladas do Ártico às quentes lagoas de reprodução da Baja Califórnia. As refeições das baleias acontecem no norte; essa energia armazenada deve abastecer os cetáceos por toda a jornada.

Os pesquisadores sugerem que as baleias estão gastando mais energia durante a procriação ou deslocamento para o sul, ou então deixando de obter comida suficiente no norte. O Ártico, é claro, está entre os lugares que mudam mais rapidamente na Terra. A crise climática fez com que a região esquentasse três vezes mais que o resto do planeta, gerando os mais diversos impactos, do gelo marinho ao plâncton. Não está claro qual papel essas mudanças desempenharam na extinção das baleias, se houver algum. Seja qual for a causa, as baleias continuam com sua migração, o que Christiansen diz ser a grande questão.

“Se elas estão cientes de sua condição corporal e percebem que não têm energia suficiente para fazer a migração completa, elas não deveriam migrar”, disse ele. “Mas claramente elas ainda continuam. Elas devem estar condicionadas a concluir essas migrações, não importa o que aconteça, em algumas situações.”

Ele acrescentou que os grupos que retornam à Baja Califórnia nem sempre são do mesmo tamanho; algumas baleias podem estar fazendo migrações para o sul, mas voltando antes de completar a jornada inteira. Os pesquisadores planejam visitar as baleias novamente neste ano para o retorno dos animais ao sul. Resta saber se as baleias continuam diminuindo ou se a fonte de sua alimentação foi bloqueada, pelo menos por enquanto.