Ciência

Vender carne cultivada vira crime no Alabama e na Flórida

O projeto de lei torna ilegal fabricar, vender ou distribuir as carnes, cultivadas em biorreatores a partir de células animais

Depois de a Flórida proibir a carne cultivada em laboratório, o Alabama tornou-se o segundo estado dos Estados Unidos a decretar o impedimento. Esta semana, o governador Kay Ivey sancionou o projeto de lei, tornando ilegal fabricar, vender ou distribuir os alimentos em território estadual. As infomações são da Wired.

O projeto, proposto pelo senador Jack Williams, vice-presidente do Comitê de Agricultura, Conservação e Florestas do Senado, foi aprovado na Câmara com 85 votos a favor e 14 contra. Já no Senado, foram 32 votos a favor e nenhum contra.

A lei entra em vigor em outubro de 2024. A partir de então, qualquer pessoa que cometer a violação poderá enfrentar pena de prisão de até três meses e multa de US$ 500 pela contravenção. O projeto de lei, no entanto, permite que institutos de ensino superior e departamentos governamentais conduzam pesquisas sobre carne cultivada.

As carnes são provenientes de células animais reais e cultivadas em biorreatores, em vez de exigir o abate de animais. Nos EUA, somente duas empresas têm aprovação para vender o alimento.

Na Flórida, que aprovou um projeto semelhante no início do mês, o senador norte-americano John Fetterman declarou, nas redes sociais, que “nunca serviria esse lixo” para seus filhos e que está ao lado dos “fazendeiros americanos”.

carne cultivada: o que dizem os defensores?

A proibição nos dois estados devem afetar aproximadamente 28 milhões de pessoas. Empresas e instituições a favor da carne cultivada se posicionaram contra a decisão, alegando que as leis prejudicam a criação de empregos e ferem a liberdade de expressão.

“Os estados podem apoiar novas iniciativas que criem milhares de empregos bem remunerados ou podem fazer política e policiar os alimentos que as pessoas comem” disse Pepin Andrew Tuma, diretor legislativo do Good Food Institute, ONG que busca acelerar a adoção de alternativas à proteína animal.

Já Sean Edgett, diretor jurídico da Upside Foods, empresa norte-americana aprovada para vender carne cultivada, diz que “a lei não protege os consumidores – protege interesses arraigados, desafia os princípios do mercado livre e impede o progresso e a criação de emprego”.

Leia também no Giz Brasil: Evento na Holanda serve almôndega de mamute feita com DNA do animal extinto.

Isabela Oliveira

Isabela Oliveira

Jornalista formada pela Unesp. Com passagem pelo site de turismo Mundo Viajar, já escreveu sobre cultura, celebridades, meio ambiente e de tudo um pouco. É entusiasta de moda, música e temas relacionados à mulher.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas