Na última terça-feira (25) foi registrado o primeiro caso de coronavírus no Brasil, segundo reportagem da Folha de S.Paulo. O homem, de 61 anos, reside em São Paulo e possui histórico de viagem à Itália entre os dias 9 e 21 de fevereiro. A suspeita foi registrada no Hospital Albert Einstein e o caso foi encaminhado para o Instituto Adolfo Lutz para contraprova.

Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (26), o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta declarou que o Instituto Adolfo Lutz confirmou o diagnóstico do Hospital Albert Einstein de que o paciente atesta positivo para o coronavírus. Ainda segundo ele, o resultado não muda nada já que as medidas adotadas anteriormente consideravam o caso como confirmado.

Em nota, o Hospital Albert Einstein afirma que “o paciente encontra-se em bom estado clínico e sem necessidade de internação, permanecendo em isolamento respiratório que será mantido durante os próximos 14 dias”.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também já solicitou à companhia aérea a lista de passageiros que estavam no mesmo voo do paciente ao Brasil, alegando ainda que vai reforçar o monitoramento de voos internacionais de países em que há casos confirmados da doença.

A Itália já contabiliza mais de 320 vítimas infectadas pelo COVID-19 e 11 mortes. Os dias em que o paciente brasileiro esteve no país coincide com o período em que houve um aumento no número de casos.

Comentando sobre essa primeira confirmação de coronavírus no Brasil, o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse em entrevista ao G1 que as condições climáticas do país são pouco propícias para um vírus respiratório. “Nós vamos nos preparar da melhor maneira. Mas é preciso ter calma. É uma gripe, vamos passar por ela e colocar todas as fichas na ciência”, declarou ele.

O caso do homem de 61 anos está sendo investigado pelo Ministério da Saúde, junto com as secretarias estadual e municipal de São Paulo.

Por enquanto, o paciente está em isolamento domiciliar e o governo afirma que vai monitorar as pessoas que tiveram contato com ele.

O Brasil é o primeiro país da América Latina a confirmar um caso do novo coronavírus, que já foi responsável por 2.708 mortes no mundo.

Brasileiros em quarentena

Após quarentena de 18 dias em uma base militar em Anápolis (GO), os 34 brasileiros que foram trazidos de Wuhan, epicentro do COVID-19 na China, foram liberados no último domingo (23) diante da confirmação de que não estavam infectados.

Duas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) transportaram o grupo para São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Pará, Maranhão e Rio Grande do Norte.

São Paulo já descartou 26 suspeitas do novo coronavírus e agora investiga outras quatro, incluindo o homem de 61 anos.

[Folha de S.Paulo]

Atualizado em 26/12/2020, às 11:40