Depois de voltar da CES e ter a chance de pensar em todos os novos gadgets sofisticados, há uma pergunta que continua surgindo na minha cabeça: até que ponto a pressão por telas com taxas de atualização mais rápidas realmente irá?

Se você vem acompanhando a moderna tecnologia de displays, você provavelmente notou uma tendência em toda a indústria em que os fabricantes estão colocando telas com taxas de atualização cada vez mais altas em vários produtos. Quando se trata de TVs, muitos dos principais aparelhos do mercado foram atualizados para 120Hz, incluindo o carro-chefe da LG C9, os modelos Q90R da Samsung e outros.



É uma situação semelhante para os dispositivos BFGD (tela de jogos em formato grande, da sigla em inglês) da Nvidia, como o Omen X Emperium da HP, que é basicamente um monitor de computador gigante com uma tela de 144Hz e suporte G-sync integrado.

O Pixel 4 do Google é apenas um dentre um número crescente de telefones que suportam taxas de atualização mais altas do que o “normal”. Foto: Sam Rutherford (Gizmodo)

Enquanto isso, nos telefones, o OnePlus 7 Pro, Google Pixel 4 e Nubia Red Magic 3 foram atualizados para telas de 90Hz este ano, com o ROG Phone 2 da Asus chegando a 120Hz. A ideia é que, aumentando a taxa de atualização da tela (essencialmente quantos quadros por segundo você vê), as coisas parecerão mais suaves e reagirão mais responsivamente a vários comandos. E com o boato de que a Samsung está adicionando uma tela de 120Hz ou 144Hz a pelo menos uma versão do Galaxy S20, essa tendência está ganhando força.

Mas a categoria que vem impulsionando mais a alta taxa de atualização de telas é a de jogos. Para os games, as vantagens de altas taxas de atualização são as mais óbvias, pois ver mais quadros de um jogo facilita atirar em um inimigo com maior precisão. Nos esportes eletrônicos, os monitores de 24 polegadas com taxas de atualização de 240Hz tornaram-se basicamente equipamentos padrão para torneios profissionais.

Para se ter uma ideia de como as diferentes taxas de atualização realmente são, independentemente da qualidade da própria tela, confira esta demonstração do pessoal da Blur Busters. E na CES 2020, vimos várias empresas, incluindo a Asus, a Acer e a Razer exibirem laptops e monitores de jogos com telas de 300Hz ou até 360Hz.

Um dos grandes anúncios da Razer na CES 2020 foi que sua próxima atualização para o Blade e Blade Pro incluiria telas opcionais de 300Hz. Foto: Sam Rutherford (Gizmodo)

Mas uma das coisas mais incríveis sobre essa tendência para taxas de atualização cada vez mais altas é que o salto de 60Hz para 120Hz e acima só começou a se popularizar nos últimos três anos. Para muitos consumidores, isso torna incrivelmente difícil acompanhar o melhor e o mais recente, o que faz muita gente se perguntar quando essa corrida vai terminar. Ou, pelo menos, quando é um bom momento para comprar?

A primeira pergunta é relativamente direta, mas também potencialmente deprimente. Para os fabricantes de eletrônicos, o objetivo final é de 1000Hz, que é o limite do que o olho humano pode realmente perceber. Quando conversei com um representante da Asus na CES, eles falaram de maneira inequívoca que é para onde a indústria está indo.

Dito isso, 1000Hz é meio que um número ridículo, porque, embora os seres humanos possam, teoricamente, detectar diferenças nessas taxas, o valor de fazer telas com uma capacidade assim tão alta é um pouco nebuloso. Afinal, quando se trata de pessoas comuns, normalmente você pode esperar diferenças notáveis ​​nas taxas de atualização de até 144Hz ou 150Hz.

Acima de 150Hz, no entanto, definitivamente ainda há benefícios a serem obtidos. A Nvidia até encomendou um estudo que afirma que passar de 120Hz para 240Hz leva a uma melhoria na precisão e na taxa de Kills/Deaths no Fortnite.

Até os monitores destinados às salas de estar estão entrando na tendência de alta taxa de atualização graças a dispositivos como o HP Omen X Emperium e a vários aparelhos de TV da LG, Samsung e outros. Foto: Sam Rutherford (Gizmodo)

E quando comprar? Bem, isso depende muito do tipo de hardware que você tem conectado ao monitor em questão. Ter um monitor que possa rodar 300Hz não é suficiente, porque você também precisa que o console ou o computador sejam capazes de enviar pixels com rapidez suficiente para tirar proveito do referido monitor.

Nos consoles, os proprietários do Nintendo Switch e PS4 estão bem a 60 fps, porque é tudo o que podem fazer (embora isso provavelmente mude com o lançamento do PS5). No entanto, se você tiver um Xbox One S ou Xbox One X, poderá conseguir até 120Hz, dependendo do jogo específico e se sua TV suportar 120Hz.

No PC, as coisas são um pouco mais complicadas, porque depende muito da GPU do seu computador, do jogo que você está jogando, das configurações do jogo em questão e da resolução da tela. Quanto maior a resolução, mais potência gráfica será necessária para atingir a taxa de quadros desejada; portanto, idealmente, você deve combinar o desempenho da sua GPU com os recursos do seu monitor.

Se você estiver buscando 120Hz ou 144Hz em 1920 x 1080, provavelmente não precisará de mais do que um AMD RX Vega 56 ou 5600XT ou Nvidia RTX 2060/GTX 1660, mas, novamente, isso dependerá do jogo que você pretende jogar.

Para telas de 1440p ou 4K, você precisará de GPUs ainda mais robustas (e mais caras), como um Nvidia RTX 2070 Super ou 2080TI.

Por fim, você deve considerar o jogo, porque atingir uma taxa de atualização específica dependerá da idade do jogo e da configuração gráfica ativada. Quanto mais extravagantes e exigentes forem os gráficos, mais difícil será conseguir obter 120 fps, 240 fps ou mais.

Mas o mais importante, se você não quer ficar para trás, pode ficar tranquilo. Está claro que a pressão por taxas de FPS e de atualização mais altas não vai desaparecer e, em menos de um ano, essa nova e brilhante tela de 300Hz provavelmente não será tão impressionante.

No momento, apostar em 120HZ ou 144Hz é uma boa ideia, com 240Hz sendo uma opção para jogadores profissionais ou pessoas que não se importam em gastar dinheiro. Qualquer coisa acima de 300Hz se destina a super entusiastas, já que a maioria das pessoas não tem um sistema poderoso o suficiente para corresponder a uma tela de 300Hz — mesmo que você tenha, provavelmente começará a ter retornos decrescentes no desempenho real.

Mas, independentemente do que você faça, não se sinta pressionado a comprar uma tela que você não pode pagar ou utilizar adequadamente, porque é provável que exista uma tela ainda mais rápida daqui a pouco.