Por um período de vários meses, uma grande estrela localizada a mais de 25 mil anos-luz da Terra tornou-se cada vez mais escura antes de voltar ao seu brilho normal. Isso causou confusão nos astrônomos, que estão pesquisando o que pode ter acontecido.

Tudo começou no início de 2012, quando uma estrela gigante vermelha conhecida como VVV-WIT-08 começou a mostrar uma queda gradual em sua luminosidade. Esse escurecimento continuou até abril daquele ano, quando ela diminuiu para 97% de seu brilho original, tornando-a invisível. Gradualmente, a estrela, 100 vezes maior que o Sol, voltou à sua antiga glória. A coisa toda, do início ao fim, durou cerca de 200 dias.

Não é incomum que as estrelas sofram quedas de brilho. As causas são normalmente atribuídas a estrelas companheiras em eclipse ou estrelas que pulsam naturalmente. O que é incomum, entretanto, é que um único episódio dure tanto tempo assim.

Uma nova pesquisa publicada no final da semana passada na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society narra esse estranho evento em detalhes. Para isso, a equipe de cientistas usou dados do European Southern Observatory e do Optical Gravitational Lensing Experiment (OGLE).

Curiosamente, existem eventos parecidos na literatura científica. A estrela gigante Epsilon Aurigae, por exemplo, experimenta um eclipse parcial, no qual diminui cerca de 50% a cada 27 anos. Outra estrela detectada há alguns anos, chamada TYC 2505-672-1, faz algo semelhante, com um eclipse ocorrendo a cada 69 anos. Ao se passar 3,45 anos, a TYC 2505-672-1 apresenta o eclipse estelar mais longo conhecido pelos astrônomos. Em ambos os casos, os especialistas atribuem um grande disco de poeira em órbita como a causa mais provável.

Existem outras estrelas que parecem sofrer escurecimento regular, então isso pode realmente ser uma questão. Os especialistas apostam em uma “população de eclipses binários de longo período composta de estrelas gigantes e companheiras hospedeiras de discos opacos”, como é descrito no estudo. A natureza desse enorme disco de poeira opaca, entretanto, permanece um mistério. “É incrível que acabamos de observar um objeto escuro, grande e alongado passando entre nós e uma estrela distante e só podemos especular qual é sua origem”, disse Sergey Koposov, co-autor do estudo e astrônomo da Universidade de Edimburgo.

Os modelos feitos a partir dos dados apontam para um objeto elíptico com uma transparência uniforme. Mas as incertezas sobre sua órbita significam que os cientistas não podem ter certeza de seu tamanho total. A equipe considerou um encontro casual com um objeto de passagem não identificado, mas descartou isso, observando que “um alinhamento casual com a estrela gigante requer uma densidade espacial improvável de objetos escuros em primeiro plano”. Na verdade, como suas simulações mostraram, um número grande de objetos escuros e nocivos deve existir na Via Láctea para que essa teoria funcione. É muito mais provável, eles argumentam, que o objeto misterioso esteja orbitalmente ligado ao VVV-WIT-08.

Assine a newsletter do Gizmodo

Outras teorias propostas incluem um disco de detritos produzido por uma anã branca, um buraco negro ou um disco composto de matéria arrancada da própria estrela. Nenhuma delas é ótima, mas os autores disseram que uma possível transferência de massa da estrela gigante é uma possibilidade “atraente”.

“Apesar dos esforços intensos, está claro que deixamos espaço para mais trabalhos neste objeto intrigante!”, concluem os astrônomos em seu estudo. Se essa população de objetos binários existir, a campanha Legacy Survey of Space and Time (LSST) no próximo Observatório Vera Rubin provavelmente irá identificá-los.