Em junho, o Facebook lançou um novo recurso que diz aos usuários de seu app se um artigo que eles estão prestes a compartilhar foi publicado há mais de três meses. Embora os usuários não estejam impedidos de compartilhar um texto antigo, o Facebook disse que essa era uma tentativa de fazer com que as pessoas parassem e pensassem no que estavam prestes a compartilhar – assim, os usuários poderiam ler o artigo e analisarem se era de uma fonte legítima ou se fornecia as informações mais atualizadas sobre um determinado tópico ou evento.

Agora o Facebook está dando um passo adiante. David Gillis, designer do Facebook, tuitou que a empresa está mudando essa notificação para incluir informações sobre a fonte do link, quando o site foi registrado pela primeira vez e quando o artigo foi compartilhado pela primeira vez no Facebook. Além disso, se o post contiver qualquer informação relacionada à COVID-19, haverá também um link para uma página oficial de informações sobre a doença com curadoria do Facebook.


Tradução: Temos visto bons resultados com as nossas telas de compartilhamento de informações e hoje estamos lançando um novo procedimento para os links relacionados à COVID-19. Antes de compartilhar, você verá a fonte e a data dos links. Esperamos que isso ajude as pessoas a obter mais contexto sobre um tópico que está evoluindo rapidamente.

Entretanto, se um usuário compartilhar informações de uma autoridade de saúde confiável, como a Organização Mundial da Saúde, ele não receberá a notificação. De acordo com o Facebook, isso servirá para “garantir que as pessoas tenham acesso a informações confiáveis sobre a COVID-19 por parte das autoridades de saúde globais”.

Listar quando um site foi registrado pela primeira vez foi projetado para ajudar a diminuir a disseminação de informações falsas, mas se alguém não entender a relevância dessa data de registro, isso não será tão útil. A idade do domínio é um dos vários fatores determinantes da credibilidade de um website, mas sem realmente ler o texto, verificar os links e pesquisar as fontes originais, essa informação não significa muito por si só.

Além disso, alguns usuários podem confundir a data de “registrado” com a data de publicação original do artigo, ou confundir a data de “primeiro compartilhado” com a data de publicação original.

Há muitos sites que desenterram notícias antigas, as reescrevem com pouca ou nenhuma atribuição ou reconhecimento da data de publicação original da fonte original, e depois as publicam como novas – tudo para gerar a controvérsia. Essas histórias podem se tornar virais no Facebook, e não tenho certeza se a inclusão do link da fonte ou da idade do domínio ajudará a evitar a propagação.

Há também casos de sites de “notícias” ou “opinião”, que também mantêm uma página no Facebook, e que violam as regras do Facebook sobre compartilhamento de conteúdo de parcerias patrocinadas ou pagos. Em resumo, o compartilhamento de conteúdo patrocinado deve ser divulgado aos usuários do Facebook e o conteúdo só pode ser considerado patrocinado se um criador for pago para fazer algo para promover uma marca, por exemplo.

Um canal de notícias não pode pagar outro canal para compartilhar notícias em sua página do Facebook e chamá-lo de “parceria paga”. Isso ocorreu recentemente com a página do Mad World News, por exemplo.

O que poderia ser útil para conter a disseminação de desinformação seria o próprio algoritmo do Facebook realizar uma leitura da página para ver se ela cita uma fonte original, e qual é essa fonte original. “Esta notícia veio originalmente da publicação X ou Y” é algo mais fácil de entender e mais útil do que a idade do domínio, especialmente se o site que está publicando a informação for mais novo, mas legítimo e que esteja construindo sua reputação e influência.

Ou todos poderiam realmente ler a página de dicas do Facebook sobre como identificar uma notícia falsa, que na verdade tem boas estratégias sobre como analisar corretamente uma fonte de notícias.