No começo desta década, Mark Zuckerberg anunciou de forma desafiadora que a era da privacidade havia acabado. Agora, perto do fim dos anos 2010, o fundador e CEO do Facebook diz que está reconstruindo a maior rede social do mundo em torno da privacidade.

Ninguém acredita de verdade em Zuckerberg, que chegou a fazer uma piadinha irônica sobre a reputação de privacidade da empresa no palco da conferência anual de desenvolvedores do Facebook no Vale do Silício, na terça-feira (30).

A mensagem do CEO, dita com o tom otimista meio dissociado da realidade que ele adotou recentemente, é que, com o tempo, o Facebook adotará a privacidade e provará que ela não é completamente oposta aos negócios de sua empresa.

Todo o evento foi criado para ajudar o Facebook a começar um novo capítulo da maneira mais explícita possível, encerrando a era em que a rede social se tornou praticamente sinônimo de falhas de privacidade, desinformação, movimentos políticos extremistas, genocídio e, bem… Você entendeu.

Mas o Facebook também continua a ser a maior rede social do mundo, lar de movimentos democráticos e um ator crucial no futuro da internet. A tentativa agora é colocar esse discurso na parte da frente e ver se dá para esconder a sujeira por trás do papo de “privacidade”.

“Guerra é paz, liberdade é escravidão, Facebook é privacidade.”

A nova mudança mais importante do Facebook para um futuro focado na privacidade é oferecer mensagens criptografadas de ponta a ponta por padrão no WhatsApp (que já o possui), Messenger (Zuckerberg diz que está chegando) e Instagram.

Isso significa que nem os funcionários da empresa nem seus algoritmos poderão mais ver o que é dito em mensagens particulares. Esse processo parece estar apenas nos estágios iniciais e envolverá uma consulta de um ano com especialistas, governos e agentes da lei sobre como implementá-lo.

“Há um dilema real entre proteger suas mensagens ao máximo, por um lado”, disse Zuckerberg, “e manter nossa capacidade de impedir que as pessoas façam coisas ruins, por outro lado. Eu realmente me importo em conseguir fazer a escolha certa entre essas duas coisas. ”

Aqui seria um bom momento para responder a uma série de perguntas importantes. Quem exatamente está sendo consultado? Onde estamos nesse cronograma? O que exatamente está sendo discutido? O que acontece se o FBI, a maior organização de aplicação da lei nos Estados Unidos e dona de um longo e barulhento histórico de combater e criticar a disseminação de mensagens criptografadas, disser que os planos do Facebook devem parar ou diminuir ou serem enfraquecidos ou enfraquecidos? O processo terá alguma transparência?

Dado o histórico do Facebook, eu continuo cético. A empresa contratou muita gente em pouco tempo no Vale do Silício e em Washington, D.C. ao longo do último ano. Os tecnólogos, especialistas em privacidade e veteranos da indústria que entram no Facebook normalmente ficam calados quando estão dentro da caixa preta da empresa.

Todo o modelo de negócios do Facebook nos últimos 15 anos tem sido de vigilância. Mesmo no primeiro trimestre deste ano, US$ 14,9 bilhões de sua receita de US$ 15,1 bilhões vieram de publicidade, e são os dados que tornam esse negócio valioso.

Claro, lá no Menlo Park eles encontraram alguns eufemismos mais palatáveis ​​para embalar isso, mas no final o Facebook ganhou dinheiro vendo o que você faz e depois vendendo o que ele sabe sobre você.

O resultado final é algum tipo de pagamento por manipulação: esperamos que você compre alguma coisa, acredite em algo ou, ao menos, dedique sua atenção a algo por tempo suficiente para este investimento valer a pena.

Agora o Facebook diz que está mudando dramaticamente. Dentro da sala onde Zuckerberg anunciou o redesenho, houve aplausos para pessoas como funcionários e desenvolvedores que estão criando produtos na promessa do Facebook de “conectar” com “usuários” de uma maneira “personalizada”. Em todo lugar, as pessoas encaravam com ceticismo e perplexidade.

Apenas alguns momentos depois de Zuck terminar seu pronunciamento de privacidade e sair do palco, a diretora da equipe de produtos de consumo do Messenger, Asha Sharma, disse que “as empresas aprenderão sobre seus clientes de maneira personalizada em escala”.

Ou seja, parece que nada mudou. Como eles estão aprendendo sobre seus clientes se a privacidade é o novo foco?

Debaixo de todos os anúncios de novos produtos feitos este ano – Novas cores! Novas formas de comprar coisas! Novas maneiras de conseguir encontros! – esteve o silêncio de Zuckerberg sobre iniciativas de privacidade anunciadas anteriormente, e uma em particular.

Há um ano, na F8 de 2018, a empresa anunciou uma função de “Limpar histórico” que daria aos usuários mais controle sobre os dados. Ela abordaria algumas preocupações importantes sobre uma empresa que está construindo um cache de dados pessoais tão grande que seu tamanho real é difícil de visualizar.

Zuckerberg falou algumas vezes este ano sobre a importância da “permanência reduzida” para o futuro do Facebook, mas ele não disse nada sobre “Limpar histórico”, um recurso que iria entregar as chaves da privacidade para o usuário.

O F8 deste ano prometeu o maior redesign do Facebook em meia década, além de uma mudança fundamental na forma como a empresa entende o que ela faz. É uma reação a três anos de intensos escândalos de privacidade e mais de uma década de críticas fervilhantes contra a rede social.

O fundador da empresa disse que os Grupos estarão no centro do redesenho do Facebook. Esta decisão traz à tona a tensão inerente ao que a rede social está tentando fazer: se os grupos se tornarem mais privados, como eles lidarão com desinformação, hackers, criminosos e spammers? Afinal de contas, foram eles que tornaram os grupos do Facebook um terreno fértil para o abuso.

Como a maior parte do que vimos na terça-feira, o anúncio foi embalado como uma promessa, mas deixou os espectadores com mais perguntas do que respostas.

“Como eles estão aprendendo mais se a privacidade é o novo foco?”

“Privacidade é o futuro” é uma frase forte. Um sistema de mensagens criptografadas de ponta a ponta por padrão seria importante. Mas o Facebook ainda rastreia sua localização física o tempo todo, ainda o segue pela internet, e ainda assim ganha dinheiro capturando sua atenção e torcendo que você abra sua carteira mais do que qualquer coisa.

Portanto, embora grandes declarações sobre o futuro sejam um ótimo golpe de marketing, o fato é que, mesmo que todas essas promessas sejam cumpridas, a próxima versão do Facebook ainda será muito parecida com a última.

Durante o momento de abertura da apresentação, Zuckerberg declarou que “privacidade é o futuro”, enquanto as palavras apareciam na tela, causando um sentimento que remete ao livro 1984, algo bem comum nos lançamentos de produtos de tecnologia nos dias de hoje. A frase se encaixa totalmente na tradição: guerra é paz, liberdade é escravidão, Facebook é privacidade.

Ajustar essas duas ideias obviamente contraditórias é o maior desafio que o jovem CEO já enfrentou. Ou talvez seja apenas uma jogada de marketing. Como quase todo o resto do discurso de Zuckerberg, essa é apenas outra questão para a qual ainda não temos respostas concretas.