Algumas atividades sentadas são piores para o seu coração do que outras — pelo menos é o que diz um novo estudo. Os resultados sugerem que assistir mais horas de TV por dia pode aumentar o risco de eventuais doenças cardíacas e morte prematura. Ao mesmo tempo, ficar mais sentado no trabalho pode não ter nenhum efeito negativo aparente sobre a saúde do seu coração.

É óbvio que o comportamento sedentário excessivo é ruim para nós. Mas ainda há dúvidas sobre as especificidades desse dano. Isso inclui não apenas descobrir se alguns tipos de comportamento sedentário são piores, mas se populações diferentes podem ser afetadas de maneira diferente por ficarem tempo demais sentadas. A maioria dos estudos humanos sobre comportamento sedentário — e, na verdade, a maioria dos estudos em geral — analisou apenas pessoas brancas de ascendência europeia. Esta disparidade é ainda mais notória dado que os afro-americanos são mais propensos a desenvolver e morrer de doenças cardíacas.



“Os afro-americanos têm um risco 30% maior de morrer de doenças cardíacas em comparação com os brancos”, disse Keith Diaz, fisiologista do exercício e professor assistente de medicina comportamental do Centro Médico da Universidade de Columbia, em um e-mail. “Assim, o objetivo do nosso estudo foi determinar se a televisão ou a sessão de trabalho são possíveis comportamentos que devem ser alterados para reduzir o risco de doenças cardíacas.”

Para o estudo, que foi publicado no Journal of American Heart Association, Diaz e sua equipe analisaram exclusivamente os afro-americanos. Eles analisaram dados do Jackson Heart Study, um estudo observacional de longa duração com mais de 5 mil pessoas de meia-idade que moram em Jackson, Missouri, e seus arredores. O projeto, iniciado em 2000, é considerado o maior estudo desse tipo nos EUA. Ele analisa os fatores que afetam a saúde cardiovascular dos afro-americanos.

Os pesquisadores analisaram mais de 3.500 voluntários que informaram quanto tempo costumavam passar assistindo à TV, bem como quanto tempo passavam sentados em seus trabalhos. Em seguida, eles rastrearam sua saúde durante um período médio de acompanhamento de cerca de 8 anos, observando casos de doença cardiovascular e morte.

Como você poderia supor, as pessoas que assistiam a quatro horas ou mais de TV por dia tinham uma chance maior de problemas cardíacos e morte do que aquelas que assistiam duas horas ou menos — cerca de 50% a mais de risco relativo, depois de ajustar fatores conhecidos como idade ou sexo. O risco adicional absoluto ainda era pequeno. Cerca de 7,5% das pessoas no grupo de que via TV menos tempo tiveram doenças cardíacas ou morreram no final do estudo, em comparação com apenas 13% no grupo via TV por muito tempo.

Mas não havia nenhuma relação semelhante quando se tratava de trabalhar. Aqueles que disseram que quase sempre ficavam sentados no trabalho não eram mais propensos a ter um ataque cardíaco ou morrer de problemas do coração do que aqueles que disseram que raramente se sentavam.

Esta não é a primeira pesquisa a descobrir que ficar sentado no trabalho não causa danos à saúde. Embora esses estudos possam apenas indiretamente oferecer evidências para suas conclusões, a equipe tem algumas teorias sobre por que ofícios sentados não usam nossos corações da mesma maneira que ficar diante de uma tela.

“No trabalho, nos levantamos da nossa mesa regularmente para ir até uma mesa de uma impressora, uma copiadora ou falar com colegas de trabalho. Algumas pesquisas sugerem que esses pequenos momentos de atividade, que gostamos de chamar de bocados de atividades, podem ser suficientes para reduzir os danos causados ​​pelo tempo sentado”, disse Diaz. “Em comparação, quando assistimos à TV, assistimos a longos períodos de uma vez sem nos mover.”

O modo como assistimos à TV também pode ter um papel, já que muitas pessoas comem lanches durante os programas ou fazem um grande jantar antes de passar a noite na Netflix. “A combinação de comer uma refeição grande e depois não se mover por horas pode ser tóxica para o corpo”, acrescentou Diaz.

Esses fatores provavelmente serão especialmente importantes para os afro-americanos, porque acredita-se que eles assistam mais TV em média. Ao mesmo tempo, como muitos outros estudos, esta pesquisa descobriu que o exercício aparentemente conseguia neutralizar os efeitos do comportamento sedentário — aqueles que assistiam a muita TV mas ainda tinham 150 minutos ou mais de exercício moderado a vigoroso por semana não tinham maior chance de doenças cardíacas ou de morrer do que os outros.

Há, sem dúvida, muitas influências externas que tornam mais difícil para as pessoas ter tempo e recursos para se exercitarem, como morar em bairros mais pobres que não têm academias ou parques. Mas ainda há pequenas coisas que a maioria das pessoas deve fazer para ter mais saúde, de acordo com Diaz.

“Em vez de jantar e sentar para ver TV pelo resto da noite, dê um passeio pelo seu bairro e depois volte para a TV. Nós não estamos dizendo para parar de ver TV completamente. A chave aqui é moderação”, disse ele.

Outra implicação do estudo é que mesmo pessoas que passam longas horas sentadas no trabalho, como motoristas de caminhão, trabalhadores de escritórios ou repórteres obcecados, não estão necessariamente condenadas a terem problemas cardíacos. “Concentrar-se em reduzir o tempo sentado fora do horário de trabalho e substituí-lo por atividade física ainda proporcionará importantes benefícios à saúde”, acrescentou Diaz.