Lixo plástico flutuando no oceano pode atrair mais indignação, mas ele representa apenas 1% dos 10 milhões e toneladas de plástico que chegam aos oceanos do mundo todos os anos. O restante acaba no fundo do oceano, e novas pesquisas revelaram onde está se acumulando.

A poluição microplástica está acumulando no fundo do oceano mais do que nunca, segundo um estudo publicado na Science nesta quinta-feira (29). A maior parte desse microplástico não é proveniente de garrafas de refrigerante ou sacolas plásticas, mas de tecidos e roupas de materiais sintéticos, como o poliéster.

Todo esse microplástico não está disperso uniformemente. As correntes do fundo do mar estão agindo como correias transportadoras, carregando pequenas partículas de plástico pelo fundo do mar — semelhantes às manchas de lixo que as correntes criam na superfície do oceano. Os pesquisadores coletaram amostras do Mar Tirreno, uma área do Mediterrâneo na costa oeste da Itália. Eles escolheram a área por causa das correntes que atravessam, além do fato de o fundo do mar ser semelhante a muitas outras partes do oceano.

Eles coletaram amostras do fundo do mar e as analisam novamente em terra. Cada amostra tinha microplástico. Amostras de pontos de acesso aparentes tinham cerca de 1,9 milhão de pedaços de microplástico por metro quadrado. Essa é a maior quantidade de microplástico já encontrada no fundo do mar.

Eles também realizaram modelagem que mostra por que esse é um problema tão grande além da área de estudo. As mesmas correias transportadoras que movem o plástico também transportam nutrientes para os mesmos pontos de acesso. Portanto, é provável que a poluição esteja se acumulando em áreas que também são hotspots de biodiversidade, incluindo zonas de criação de peixes, esponjas, pepinos do mar, corais e outras criaturas.

Os cientistas têm muito mais a aprender sobre como a poluição microplástica está afetando essas criaturas, mas já houve algumas descobertas sobre o assunto. Um estudo recente, por exemplo, descobriu que a exposição ao microplástico pode atrapalhar o funcionamento cognitivo dos caranguejos eremitas, dificultando a localização de conchas.

A poluição microplástica também pode percorrer toda a cadeia alimentar. Pequenas criaturas como salpas e plâncton geralmente consomem pequenas partículas, e muitos animais marinhos, como peixes e caranguejos, consomem estes pequenos seres, por sua vez. Os seres humanos geralmente consomem peixes e caranguejos, o que significa que o microplástico pode chegar ao nosso corpo. Há evidências de que o consumo de microplásticos pode nos expor a produtos químicos que interrompem os hormônios.

“Os resultados destacam a necessidade de intervenções políticas para limitar o fluxo futuro de plásticos nos ambientes naturais e minimizar os impactos nos ecossistemas oceânicos”, disse Mike Clare, do National Oceanography Center, principal coautor da pesquisa, em um comunicado.

Muitos formuladores de políticas poderiam agir para conter esta crise de microplásticos. Poderíamos projetar roupas que emitam menos microfibras, que mais da metade das roupas vendidas hoje em todo mundo contém. Poderíamos criar e empregar melhores sistemas de filtragem para instalações que tratam resíduos e água para capturar microplásticos antes que entrem em nossas vias navegáveis. E o melhor de tudo: poderíamos parar de produzir tanto plástico em primeiro lugar, incluindo roupas de poliéster, acrílico e nylon. Além da poluição oceânica, os plásticos são feitos de combustíveis fósseis, que deveríamos manter longe do fundo do mar de qualquer maneira.