O iPad parece estar finalmente pronto para deixar de ser um aparelho para assistir filmes e realmente cumprir a promessa que a Apple fez diversas vezes: se tornar uma máquina de produtividade. Um novo processador, melhor suporte a aplicativos e alguns ajustes no design trouxeram o iPad Pro para um nível em que ele poderia ser um concorrente dos 2-em-1 reais, como o Surface Pro ou até mesmo o Pixel Slate.

• O reino da porta Lightning, da Apple, pode estar com os dias contados
• O novo MacBook Air ofusca totalmente o MacBook de 12″

Eu não tenho muito talento quando se trata de fazer música ou arte, mas gosto de tirar fotos e adoro ir ao Photoshop e passar horas colocando máscaras e aprimorando uma imagem até torná-la perfeita. Por isso, fiquei animada com versão completa do Photoshop para iPad. É mais fácil de aprender do que o tablet da Wacom que eu comprei em uma liquidação há alguns anos. Também fiquei impressionada com o AutoDesk e o suporte para CAD no iPad. Uma arquiteta com quem falei comentou que, embora o escritório dela não use mais o AutoCAD, seria impressionante renderizar localmente arquivos CAD grandes em um iPad.

Se ela fizesse isso, não estranharia a nova Pencil — na minha mão, eu senti como se ele fosse um lápis de desenhista de verdade. Quando o coloco em um ponto específico ao lado do iPad Pro, ele se encaixa de forma segura com um clique de garantia. E ele também se solta com facilidade. Não é nem de longe tão legal quanto o pequeno buraco para stylus no mais recente 2-em-1 da Lenovo. Em vez disso, parece um acompanhamento bem projetado para o Microsoft Surface Pen. Por outro lado, ao contrário do Pen, a Pencil carrega sua bateria ao se encaixar no tablet.

Há outras notas no design do iPad Pro que me lembram o Surface. Em vez de bordas curvas, as laterais do Pro são todas linhas retas, como as do Surface Pro. É um elemento de design direto e pragmático. O mesmo não pode ser dito para as molduras mais finas. No pouco tempo que fiquei com o iPad Pro de 11 polegadas, ele não parece ter detectado incorretamente minhas mãos quando eu segurei dos lados, mas estou curiosa para ver se ele lida bem com os toques e entradas acidentais à noite, quando eu estiver tentando me ajeitar na cama e ler um livro nele.

A tela é um display Liquid Retina como a do iPhone XR. Esse é o termo chique da Apple para um display que tem belos cantos curvos em vez de retos. É uma tela de resolução de 2388 x 1668. A Apple afirma que ela oferece suporte ao espaço de cores P3, uma ampla gama com tons de vermelho e verde mais realistas. É bonito, mas não muito diferente da tela do ano passado (tirando as curvas, claro).

As maiores novidades são o sensor True Depth, escondido no painel, e o CPU A12X Bionic, colocado sob a tela. O primeiro está em apenas uma borda do iPad, mas pode ser usado para reconhecer seu rosto tanto no modo retrato quanto no modo paisagem. Ele obviamente não funciona se a sua mão estiver cobrindo, e uma pequena notificação será exibida se você tentar usá-lo assim por acaso.

Em uma demonstração controlada ontem, o Face ID funcionou bem rápido — muitas vezes, ele chegou a desbloquear o iPad antes que o encarregado da Apple pudesse cobrir a câmera com a palma da mão. O único grande problema ocorreu quando eu me aproximei do representante e o iPad se recusou a abrir porque muitos rostos estavam no quadro.

Mas vamos voltar ao A12X, porque ele é a verdadeira estrela desse show. Primeiro, é uma grande dica do que está por vir na próxima linha de produtos da Apple. Se for realmente tão poderoso quanto a Apple alega e puder superar os processadores da Intel em tarefas intensivas ao mesmo tempo em que aumenta a vida útil da bateria, isso reforça o rumor de que a Apple planeja abandonar a empresa de chips em algum momento e começar a fabricar seus próprios processadores.

Os números de velocidade apresentados Apple são notáveis: desempenho de núcleo único 30% melhor e desempenho de múltiplos núcleos 90% melhor. Como o iOS tradicionalmente não realiza muitas tarefas que exigem desempenho multicore, devo admitir que estou um pouco confusa. Então, passei um bom tempo tentando chegar ao que há de verdade por trás disso. Até agora, o júri ainda não deu seu veredito. Ninguém conseguiu me dar uma lista de aplicativos que realmente tirem proveito da nova CPU — e certamente nenhum deles eu poderia testar em um computador baseado em chips da Intel executando a mesma tarefa.

Apesar disso, um desenvolvedor de aplicativos ofereceu um contraponto. Karim Morsy é o CEO da Algoriddim, uma empresa alemã que desenvolve o app de música e discotecagem ao vivo djay. Ele me disse que ficou realmente surpreso com o desempenho do iPad Pro e afirmou que conseguiu lidar melhor com algumas tarefas, usando menos recursos do que um MacBook Pro sofisticado.

Se isso for mesmo verdade, o iPad Pro pode ser uma ferramenta para editores de vídeo, criadores de música e produtores de imagens, com a possibilidade de uso portátil e uma competência devastadora. Eu digo isso porque Morsy é apenas uma pessoa, e nós não tivemos a oportunidade de realmente colocar o A12X no iPad Pro para rodar em sua máxima velocidade ou criar fluxos de trabalho reais que o comparem adequadamente com os laptops. E também porque ele não substituirá um laptop sozinho — para isso, ele tem o novo Smart Keyboard Folio para ajudar nisso. Os teclados da linha MacBook podem receber muitas críticas por causa de seus mecanismos de teclas, mas o teclado físico do iPad nunca foi excelente, e a Apple não fez nada para mudar isso. Digitar no novo teclado foi como digitar no teclado para o iPad Pro que comprei em 2016. É perfeitamente ok, nada muito impressionante.

Mas, no geral, o iPad Pro tem potencial para ser muito impressionante. Parece que pode ser a ferramenta que todos os profissionais criativos que mencionei procuram ou desejam. Eu estava na fila do evento da Apple ao lado de duas pessoas com distintivos verdes. Isso imediatamente os identificou como não sendo da imprensa, e eu fiquei bem curiosa. Nós conversamos sobre o evento e os produtos que provavelmente seriam anunciados. Eles disseram ser “designers de produtos” e foram cautelosos para não falar nada além disso. Estavam lá para ver o que a Apple mostraria para os profissionais criativos. Presumivelmente, foi por isso que muitas das escolhas de fonte no evento pareciam Comic Sans e por que a Lana del Rey cantou para nós depois também. Tudo isso fazia parte do tema do evento, que foi dedicado a profissionais criativos. Algo que a maioria de nós nunca terá a capacidade ou o talento para ser, mas que a Apple espera que continuemos tentando e, com um pouco de esperança, estejamos dispostos a pagar um mínimo de US$ 800 (ou R$ 6.799 no Brasil) pela chance.

Fotos: Alex Cranz/Gizmodo