Nós vimos vários celulares ambiciosos em 2020: aparelhos com especificações monstruosas como o ROG Phone 3, dispositivos inovadores como o Surface Duo e telefones futuristas como o Galaxy Z Fold 2. Mesmo assim, o estranho e maluco Wing da LG é facilmente o telefone mais divertido do ano.

Com apenas um toque de um dedo, a tela OLED de 6,8 polegadas do LG Wing gira de retrato para paisagem. Lembra bastante aparelhos lendários do passado, como o Sidekick. Ao mesmo tempo, o movimento revela uma segunda tela de 3,9 polegadas, o que é bem mais futurístico.

Se fosse só isso, o Wing já traria mais alegria do que uma gaveta de roupas dobradas com cuidado ou 90% dos outros aparelhos feitos este ano. É tão divertido quanto ficar mexendo com um fidget spinner, aquele brinquedinho que foi moda há uns anos, mas também ajuda na hora de assistir a vídeos em sua orientação adequada, seja ela vertical ou horizontal.

O carrossel da LG facilita na hora de encontrar apps otimizados para o Wing, mas não é realmente necessário. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

Mas não é só isso! Enquanto assiste a um filme na tela de cima, você pode usar a de baixo para navegar na web, enviar mensagens para seus amigos ou usar praticamente qualquer outro aplicativo.

Não é exatamente o mesmo tipo de multitarefa de um Surface Duo ou Z Fold 2, mas é o bastante para que você não tenha que parar o filme ou a série que você está vendo. E em uma época em que estou tentando de tudo para ficar entretido em casa, qualquer coisa que ajude a matar o tédio é muito bem-vinda.

O Wing também vem com um gimbal embutido, e a conclusão é parecida. Não é tão ajustável ou estável como um DJI OM4, mas, mais uma vez, dá para controlar o quadro na horizontal e na vertical ou usar os modos follow, pan follow ou vídeo em primeira pessoa. Assim, é possível fazer imagens que seriam impossíveis com outros smartphones.

Também dá para usar a câmera traseira e a câmera de selfie ao mesmo tempo para gravar vídeos e brincar de vlogging. A câmera frontal, aliás, fica escondida e salta usando um mecanismo pop-up.

O YouTube com o Chrome é ótimo para se divertir quando você está preso no sofá. Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

As especificações para comandar isso tudo são boas, mas não muito sofisticadas: chip Qualcomm Snapdragon 765G, 8 GB de RAM, 128 GB de armazenamento básico, carregamento sem fio e um slot microSD (mas nada de saída para fone de ouvido).

O LG Wing também tem uma série de pontos estranhos. Por exemplo, quando a tela é girada para o modo paisagem, fica difícil alcançar os botões laterais, especialmente os de volume. Quando você está assistindo ao YouTube, o Wing contorna isso colocando controles de volume na segunda tela, mas em aplicativos que não foram otimizados, isso nem sempre funciona.

Além disso, o carrossel que a LG fez para o Wing quando sua tela é girada parece bastante desnecessário. Claro, facilita na hora de encontrar os aplicativos que foram otimizados para o telefone, mas também adiciona um nível extra de complexidade sem muitos benefícios adicionais. Uma versão paisagem da tela inicial seria melhor — assim, seria possível escolher apps sem ter que ficar entrando em menus.

O carrossel e a segunda tela são um pouco lentos e engasgam mais do que o normal. Isso é compreensível, já que a LG está usando uma skin para controlar tudo e, ao mesmo tempo, oferecer suporte a duas telas, interfaces especiais e 5G (além do modo gimbal, quando a câmera está ligada). Isso exige muito do 765G, que é um processador intermediário, então é até esperado que o Wing não rode muito liso.

Foto: Sam Rutherford/Gizmodo

E também tem o tamanho. O Wing não é tão grosso quanto um Galaxy Z Fold 2, o que é um mérito da LG, mas ele ainda é um aparelho grande e pesado, e não tem muito como disfarçar isso.

Mesmo com esses pontos negativos, o Wing é um dispositivo impressionante, e uma das coisas mais incríveis é que ele é real! Nenhuma empresa ou designer no mundo faz um negócio tão maluco quanto esses pensando em ser um sucesso de vendas. É um celular de nicho para fãs de vídeo móvel, viciados em mensagens ou adolescentes que sonham em ser youtubers. E ele consegue ser um bom aparelho, apesar de meio desajeitado. Ainda não fiz um teste completo, mas já passei tempo mais do que suficiente para saber que este é realmente o celular mais divertido do ano.